Ameaças de Putin não ajudam tratado de armas, diz Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu nesta sexta-feira, 27, moderação diante da proposta de moratória ao cumprimento do Tratado sobre Forças Convencionais na Europa (CFE, em inglês) feita pelo presidente russo, Vladimir Putin, mas alertou que as ameaças "não ajudam" nestes casos.Deve-se manter com Moscou um "clima de diálogo e confiança" em todas estas questões, disse o vice-porta-voz do governo, Thomas Steg, que lembrou que a chanceler, atual presidente da União Européia, se reunirá em meados de maio com Putin para as consultas entre a Rússia e o bloco."As ameaças não ajudam", mas o Governo de Berlim recebeu "com calma" as declarações do presidente russo, segundo Steg.Putin fez na quinta-feira uma proposta de moratória e ameaçou até mesmo se retirar do tratado se a Otan não reduzir suas forças na Europa.Segundo o presidente, a moratória deveria durar "até que todos os países da Otan, sem exceção alguma, ratifiquem (o tratado) e o cumpram, como Rússia o fez".Putin relacionou esta propota com o fato de que nem todos os membros da Otan ratificaram o tratado e também com os planos dos Estados Unidos de instalar um escudo antimísseis no Leste Europeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.