América Latina vive "terremoto político", diz Chávez

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse nesta quinta-feira que a América Latina está passando por mudanças equivalentes a "um terremoto político". A declaração foi dada em uma entrevista concedida por Chávez ao sair do Palácio do Planalto após encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva Do encontro, no qual foram discutidos temas relacionados à produção de energia, participaram também ministros brasileiros, como Celso Amorim (Relações Exrteriores) e Silas Rondeau (Minas e Energia), e o presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli. Do lado venezuelano participaram, entre outros, o ministro de Minas e Energia e presidente da Petróleos Venezuelanos S.A. (PDVSA), Rafael Ramírez. "Como disse o presidente Correa", começou Chávez, referindo-se ao presidente eleito do Equador, Rafael Correa, "a América Latina está vivendo não uma época de mudanças, mas uma mudança de época. É como um terremoto político." Abertura com EUAAo deixar o Palácio do Planalto, Chávez afirmou que recebe "com interesse positivo" a recente declaração do subsecretário de Estado dos Estados Unidos para a América Latina, Thomas Shannon, de que na Venezuela há uma democracia. Segundo Chávez, isso é "coisa que o mundo sabe, mas que, enfim, Washington reconhece". O presidente venezuelano, recém-reeleito para o cargo por mais seis anos, reafirmou sua tese de que está "em decadência" o atual governo do presidente George W. Bush."E nós achamos que é um governo imperialista que atropela, que lança sinais, os quais nós acolhemos, mas sem muitas esperanças de que haja uma relação de respeito", disse. E completou: "Aspiramos ter uma relação de respeito e boas relações políticas com qualquer governo dos Estados Unidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.