Americana seqüestrada no Iraque continua desaparecida

O grupo iraquiano que mantém seqüestrada a jornalista americana Jill Carroll não ofereceu nenhuma informação sobre seu estado, apesar do ultimato dado ter terminado na noite de ontem. O grupo "Brigadas da Vingança" divulgou, na noite de terça-feira um vídeo no qual se via a refém, exigiam a libertação de todas as mulheres presas em prisões iraquianas em 72 horas, e ameaçavam executar a repórter se não fossem cumpridos seus pedidos.Ontem, antes de terminar o prazo dado pelos seqüestradores, o pai da jornalista pediu sua libertação através das cadeias árabes internacionais."Quero falar diretamente com os seqüestradores da minha filha, já que talvez sejam pais como eu: minha filha não tem nenhum poder para conseguir libertar ninguém", disse Jim Carroll em uma declaração gravada desde Washington.Durante o seqüestro de Jill, cometido no bairro de Al-Adel, foi morto o tradutor e motorista da jornalista, que foi capturada quando ia fazer uma entrevista com um importante líder da comunidade árabe sunita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.