Americanas detidas por Pyongyang serão julgadas em junho

Jornalistas foram presas enquanto gravavam imagens para um documentário na fronteira com a China

Efe,

14 de maio de 2009 | 04h54

A Coreia do Norte anunciou nesta quinta-feira, 14, que as duas jornalistas americanas detidas em março serão julgadas no dia 4 de junho em território norte-coreano, segundo a agência oficial norte-coreana de notícias KCNA.

 

"O Tribunal Central da República Popular Democrática da Coreia julgará em 4 de junho as jornalistas americanas, de acordo com a acusação apresentada", informou a KCNA, citada pela sul-coreana Yonhap.

 

As duas jornalistas americanas - Laura Ling e Euna Lee - trabalham para o veículo digital San Francisco Current TV, e foram detidas no dia 17 de março na fronteira do país comunista com a China enquanto gravavam imagens para um documentário sobre tráfico de mulheres norte-coreanas.

 

No final de março, a Coreia do Norte anunciou que as acusaria de "entrada ilegal e atos hostis, com base nos documentos sobre seus crimes", obtidos nas investigações e nas declarações das próprias jornalistas.

Ainda não está claro se as jornalistas atravessaram ou não a fronteira entre China e Coreia do Norte.

 

A emissora de TV sul-coreana YTN informou que guardas norte-coreanos cruzaram o rio que separa os dois países para detê-las, depois de não acatarem uma ordem de interromper as filmagens. Já o reverendo Chun Ki-won, que as ajudou nos preparativos para o documentário, acredita que as duas americanas poderiam ter atravessado a fronteira sem querer.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteChinajornalistaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.