Americano confessa ter mantido escravas sexuais

Um americano aposentado declarou-se culpado de manter em cativeiro cinco mulheres, que foram usadas por ele como escravas sexuais. John Jamelske, de 68 anos, declarou-se culpado de cinco delitos de seqüestro. Conforme um acordo fechado com o promotor, Jamelske deverá cumprir de 18 anos de cadeia à prisão perpétua. Cada um dos delitos é punível com um máximo de 25 anos a perpétua. A sentença será emitida em 15 de julho."Ele está muito arrependido", disse o advogado de Jamelske, J. Michael Forsyth. Perguntado se Jamelske sabia que o que fez era errado, Forsyth respondeu que "foi preciso algum tempo para que ele compreendesse".Jamelske encontra-se detido sem direito a fiança desde que foi preso em 7 de abril, acusado de manter refém, durante quase sete meses, em uma câmara subterrânea, uma adolescente de 16 anos. A câmara foi construída pelo aposentado no quintal de sua casa, no subúrbio de Syracuse, e possuía um quarto, um cubículo utilizado como banheiro, um forno de microondas e um frigobar.A vítima de 16 anos conseguiu chamar a irmã por telefone, quando Jamelske a retirou da câmara, em abril, depois de seis meses de cativeiro. A adolescente contou à irmã que era mantida cativa e que havia sido violada. A chamada permitiu à polícia localizar a casa do seqüestrador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.