Americano descobre cabeças humanas em aeroporto

Um funcionário da companhia aérea Southwest Airlines descobriu entre 40 e 60 cabeças humanas, durante uma checagem rotineira de segurança, informou nesta quinta-feira a rede Sky News. A carga seguiria para a cidade de Fort Worth, no Texas, para uma companhia de pesquisas médicas. Agora, agentes em Little Rock, no Arkansas, onde as cabeças foram encontradas, investigam um suposto esquema de venda de partes do corpo humano nos Estados Unidos.

AE, Agência Estado

17 de junho de 2010 | 15h08

"Nós chegamos à conclusão de que há um mercado negro para partes do corpo humano para pesquisa ou por outra razão qualquer", afirmou o juiz investigador do condado, Garland Camper. Não foi informada a data da descoberta.

O lote seguiria para uma companhia chamada Medtronic, que alega que essas partes de corpos serviriam para ensino médico e pesquisa. Um porta-voz da empresa disse que a fornecedora era a JLS Consulting. Segundo uma base de dados online do Arkansas, a JLS teve sua licença para operar revogada no ano passado. A fundadora dessa empresa, Janice Hepler, porém, disse a um jornal local que houve um problema com o entregador contratado. "Nada está errado", afirmou ela. "Nós estamos fornecendo a documentação."

A lei federal dos EUA proíbe a venda de partes humanas do corpo. Mas os fornecedores podem receber reembolsos por seus gastos, desde que o fim desses envios seja para pesquisa. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
cabeçasaeroportomedicinatráfico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.