Americano é acusado de 'roubar 130 milhões de números de cartões de crédito'

Justiça afirma que que se trata de maior tentativa de fraude e roubo de identidades online.

BBC Brasil, BBC

17 de agosto de 2009 | 18h30

Um americano de 28 anos foi acusado de roubar informações relacionadas a 130 milhões de números de cartões de crédito e débito nos EUA.

Segundo autoridades judiciárias, o caso pode ser maior tentativa de fraude e roubo de identidades online já registrado no país.

Albert Gonzales foi indiciado por conspiração para invadir redes de computadores de importantes organizações financeiras americanas e por roubar dados relativos a mais de 130 milhões de cartões.

Gonzales, do Estado da Flórida, está sendo acusado, junto com dois outros cúmplices de usar uma técnica sofisticada chamada de "SQL injection Attack" que invade as redes via seus dispositivos firewall para roubar informações de cartões de crédito ou débito.

A promotoria afirma que a partir de outubro de 2006, Gonzales e seus cúmplices estudaram os sistemas de crédito e débito usados por suas vítimas, criando em seguida uma forma de invadi-los.

Os dados roubados eram então enviados para servidores nos Estados americanos da Califórnia, Ilinois e em outros países como Letônia, Holanda e Ucrânia.

A promotoria diz ainda que os acusados usavam formas sofisticadas para apagar seus traços, evitando a ação de antivírus.

Se condenado, Gonzales pode receber uma sentença de até 20 anos de prisão por conspiração de fraude online e outros cinco anos por conspiração, além de uma multa de US$ 250 mil por cada acusação.

Gonzales já se encontra preso. Em maio de 2008, ele foi acusado de invadir a rede de computadores de uma rede nacional de restaurantes e o julgamento por esta acusação deve começar em setembro.

Ele deve ser julgado no ano que vem por outra acusação de ter roubado dados de cerca de 40 milhões de cartões de crédito. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.