Americano é indiciado por apoio à Al-Qaeda

Um californiano de 28 anos que integrou a Al-Qaeda e apareceu em vídeos de propaganda da organização terrorista foi indiciado nesta quarta-feira pelo crime de traição e por fornecer ajuda material a terroristas.Um júri no Condado de Orange, na Califórnia, aceitou o indiciamento de Adam Yehiye Gadahn, suspeito de operar pela Al-Qaeda e procurado pelo FBI desde 2004. Suspeita-se que ele esteja no Paquistão. Esta é a primeira vez que um americano é indiciado por traição desde a 2ª Guerra Mundial, informaram fontes judiciais."É sabido que Gadahn aderiu a um inimigo dos Estados Unidos, nominalmente a Al-Qaeda, e deu a Al-Qaeda ajuda e conforto (...) com a intenção de trair os Estados Unidos", diz o indiciamento.Baseado nessa informação, o FBI acrescentou Gadahn à lista dos terroristas mais procurados dos Estados Unidos, e ofereceu uma recompensa de US$ 1 milhão por informações que possam levar à sua prisão.Acredita-se que Gadahn tenha servido em campos de treinamento da Al-Qaeda no Paquistão e que seria um dos tradutores do grupo. Ele tornou-se conhecido pelo nome de guerra Azzam al-Amriki, ou "Azzam o americano".No mês passado, Gadahn apareceu num vídeo de 48 minutos ao lado do líder número dois da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahri, conclamando seus compatriotas a se converterem ao Islã, e os soldados dos EUA a mudarem de lado nos conflitos do Iraque e do Afeganistão.Foi a segunda vez em que ele surgiu num vídeo com al-Zawahri. Em uma gravação de 7 de julho, que marcava o aniversário de um ano do ataque terrorista no metrô de Londres, Gadahn aparecia rapidamente, dizendo que nenhum muçulmano deveria "derramar lágrimas" pelos ocidentais mortos nos atentados da Al-Qaeda.Além disso, autoridades acreditam que ele seja a figura mascarada que estava em dois vídeos anteriores da rede terrorista - um entregue à emissora ABC, em 2004, e outro dias antes do quarto aniversário dos ataques de 11 de setembro.A acusação de traição ao governo pode resultar punições que variam de cinco anos de prisão a pena de morte, enquanto a condenação por fornecer material de apoio para uma organização terrorista estrangeira pode significar uma sentença de 15 anos.Criado no sul da Califórnia, em uma fazenda de Riverside, Gadahn se converteu à religião muçulmana e participava de cultos na Sociedade Islâmica do Condado de Orange em 1997, antes de ser expulso por atacar um de seus líderes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.