Americano é morto a tiros na Arábia Saudita

Um americano foi morto a tiros na capital saudita, o segundo ocidental assassinado no reino em três dias. Atacantes não identificados mataram o homem no apartamento dele, disse um porta-voz da companhia de segurança dos EUA onde o americano trabalhava, Vinnell Corp. "Ele foi encontrado por outro empregado em seu apartamento e levado para um hospital, mas não sobreviveu", disse o porta-voz Jay McCaffrey. O nome da vítima não foi imediatamente divulgado. A polícia saudita investigava o crime e ainda não tinha suspeitos.Segundo McCaffrey, a Vinnell tem um condomínio fechado para seus empregados, mas o homem preferiu viver por conta própria no bairro de Khaleeh, leste de Riad. Sete funcionários da Vinnell estavam entre as 35 pessoas mortas no ano passado num ataque suicida contra um condomínio residencial de estrangeiros em Riad. A Vinnell tem muitas dezenas de empregados americanos no país, encarregados de treinar a Guarda Nacional da Arábia Saudita.Militantes islâmicos vêm promovendo uma série de ataques nos últimos 13 meses contra alvos ocidentais, governamentais e interesses econômicos no reino. O governo tem responsabilizado pelos ataques integrantes ou pessoas inspiradas na rede terrorista Al-Qaeda, liderada pelo dissidente saudita Osama bin Laden. Insurgentes dispararam no domingo contra uma equipe da tevê britânica BBC que filmava a casa de um militante em Riad. O cinegrafista, o irlandês Simon Cumbers, de 36 anos, foi morto e o correspondente Frank Gardner, um britânico de 42 anos, ficou criticamente ferido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.