Americano ligado à CIA é solto no Paquistão após acusação de assassinato

Famílias das vítimas receberam uma indenização US$ 2,3 milhões; ele alega legítima defesa

Efe,

16 de março de 2011 | 11h42

Raymond Davis, um americano que já trabalhou para a CIA (agência de inteligência do país) e que foi acusado de assassinar duas pessoas no Paquistão, foi libertado nesta quarta-feira, 16.

As famílias das vítimas receberam uma indenização de 200 milhões de rúpias (US$ 2,34 milhões) e declararam perante a corte que perdoam Davis, segundo o advogado do Tribunal Superior de Lahore.

 

"Não está confirmado que já deixou o país, mas muitos advogados dizem que já se foi", disse uma fonte.

A corte que absolveu Davis é a mesma que horas antes desta decisão tinha processado formalmente o americano por duplo assassinato.

Davis matou os dois motoristas na cidade oriental de Lahore em 27 de janeiro. Após cometer os crimes, ele foi detido, mas alegou que agiu em legítima defesa.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.