Americano pega prisão perpétua por espionar para Cuba por três décadas

Um ex-funcionário do Departamento de Estado foi sentenciado ontem à prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional por espionar para Cuba por três décadas. Kendall Myers, de 73 anos, bisneto de Alexander Graham Bell, disse que roubou segredos sem a intenção de prejudicar os EUA e seu objetivo era passar adiante informações sobre as políticas americanas para Cuba. A mulher dele, Gwendolyn, de 72 anos, foi sentenciada a 6 anos e 9 meses de prisão por ajudar o marido a roubar segredos americanos. A maioria das informações transmitidas a Cuba era sobre a CIA ou questões econômicas. O casal recebeu pouco dinheiro pelos dados. Myers chegou a se reunir com Fidel Castro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.