Americano solto pela Coreia do Norte volta aos EUA com Carter

Depois de passar sete meses detido por tentar entrar ilegalmente na Coreia do Norte, o americano Aijalon Mahli Gomes desembarcou ontem em Boston, acompanhado do ex-presidente americano Jimmy Carter, responsável por negociar sua libertação com o regime comunista de Kim Jong-il. Gomes saiu do avião com lágrima nos olhos, abraçou Carter e seus parentes

EFE e AP, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2010 | 00h00

O ex-presidente americano e Prêmio Nobel da Paz de 2002 deixou Pyongyang ontem cedo acompanhado de Gomes, que tinha sido capturado em 25 de janeiro e condenado em abril a 8 anos de trabalhos forçados, além de uma multa de US$ 600 mil por entrar ilegalmente na Coreia do Norte.

Em nota, o Centro Carter ressaltou que a missão teve caráter privado e não foi respaldada pelo governo dos EUA, O texto também diz que o líder norte-coreano concedeu anistia a Gomes a pedido do ex-presidente americano e por razões humanitárias.

O governo americano comemorou a libertação de Gomes e agradeceu pelo esforço do ex-presidente e do Centro Carter.

"Apreciamos o esforço humanitário do ex-presidente Carter e cumprimentamos a decisão da Coreia do Norte de conceder uma anistia especial a Gomes, permitindo que ele retornasse aos EUA", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Philip Crowley.

A agência oficial norte-coreana KCNA afirmou que a libertação só ocorreu depois de Carter oferecer um pedido de "desculpa" pela entrada ilegal de Gomes no país.

O governo de Pyongyang também manifestou desejo de retomar as negociações sobre seu programa nuclear.

Esta é a segunda vez em um ano que um ex-presidente dos EUA viaja a Pyongyang para libertar um cidadão americano. Em agosto de 2009, Bill Clinton conseguiu a libertação de duas jornalistas americanas que tinham sido presas na fronteira com a China e condenadas a 12 anos de trabalhos forçados.

Carter tem experiência em negociar com a Coreia do Norte. Em 1994, ele conseguiu que o então líder norte-coreano, Kim Il-sung, estabelecesse com os EUA conversas de alto nível, que levaram a um acordo de desarmamento nuclear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.