Americanos acusados da morte de cinegrafista espanhol

A família do cinegrafista espanhol morto em um hotel de Bagdá por fogo de artilharia apresentou uma queixa judicial contra três soldados dos Estados Unidos. Os militares são acusados de crimes de guerra e homicídio. O cinegrafista José Couso, de 37 anos, da televisão Tele 5, morreu em 8 de abril quando um tanque americano disparou contra o Hotel Palestina, onde se alojavam muitos jornalistas estrangeiros.Os advogados da família disseram que a ação apresentada na Audiência Nacional de Madri acusa o sargento Gibson, o capitão Philip Wolford e o tenente-coronel Philip DeCamp, todos membros da infantaria americana. O Pentágono disse que seus soldados responderam ao fogo de franco-atiradores, mas jornalistas que se encontravam no hotel afirmaram que não escutaram disparo algum."Todo mundo sabe que (os militares americanos) são os responsáveis pelo ataque contra o Hotel Palestina", disse Pilar Hermoso, advogada da família, em uma entrevista coletiva. A queixa afirma que o capitão Wolford ordenou o ataque. O governo espanhol considerou a morte de Couso um erro trágico. A Espanha apoiou a invasão aliada do Iraque. No ataque que matou Couso, faleceu também o cinegrafista ucraniano da Reuters Taras Protsyuk.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.