Americanos associam Bush ao adjetivo incompetente

"Incompetente" é o adjetivo que os cidadãos dos EUA mais associam ao presidente George W. Bush, segundo uma pesquisa divulgada pelo centro de estudos Pew Center, que revela uma nova queda de sua popularidade. Segundo a pesquisa, a popularidade de Bush caiu sete pontos percentuais no último mês e se encontra agora em 33%, o nível mais baixo de seu mandato. A queda é maior entre os simpatizantes de seu partido, o republicano: se, em janeiro, 89% deles o apoiavam, dois meses depois esse número caiu para 73%. A enquete atribui a queda ao papel do presidente na polêmica em torno de um acordo para que uma empresa de Dubai administrasse seis portos americanos, iniciativa que foi descartada pela oposição no Congresso apesar de Bush apoiá-la pessoalmente. Quarenta e um por cento dos entrevistados afirmam terem acompanhado a polêmica com muito interesse - uma porcentagem considerada muito alta para uma notícia procedente de Washington - e 58% declararam que o Congresso, onde os republicanos têm maioria, fez bem ao opor-se ao acordo. A imagem pessoal de Bush também sofreu. Na pergunta sobre que adjetivo pode ser associado ao presidente, a resposta mais repetida - 29 vezes - foi "incompetente". Em pesquisas anteriores, a palavra mais usada para o presidente era "honesto". No total, 48% dos entrevistados se pronunciam em termos negativos - "incompetente", "idiota" (21 vezes) e "mentiroso" (17 vezes) - sobre Bush. Por outro lado, só 28% utilizam palavras elogiosas - "bom" (23 vezes), "cristão" (14 vezes) e "honesto" (14 vezes), enquanto 10% empregam adjetivos neutros, como "presidente" e "conservador". A popularidade do presidente em áreas específicas também caiu. Uma das quedas mais drásticas é na área até agora considerada o ponto forte do presidente, a luta contra o terrorismo, na qual o 42% aprovam a gestão de Bush, contra os 53% de um mês atrás. A pesquisa entrevistou 1.405 pessoas entre 8 e 12 de março.

Agencia Estado,

16 Março 2006 | 01h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.