Americanos investigam local bombardeado no Afeganistão

Mais de 50 soldados norte-americanosestão no local onde suspostos membros da Al-Qaeda foramsupostamente mortos em um ataque aéreo, informou nestasexta-feira o chefe do Estado Maior Conjunto das ForçasArmadas, Richard Myers. Os soldados foram levados durante a noite ao local, próximo aZawar Kili, no leste do Afeganistão, e terão de aguardar até amanhã de sábado para iniciarem as investigações, disse Myers, umgeneral da Força Aérea. Um avião de espionagem Predator, comandado por controle remoto disparou um míssil contra um grupo de pessoas reunido em tornode um caminhão na segunda-feira. Wazir Khan, um irmão do senhor da guerra regional Bacha Khan,disse que sete pessoas morreram no ataque, mas o milionáriosaudita Osama bin Laden "não está entre os mortos". Autoridades norte-americanas acreditam que as vítimas erammembros da organização Al-Qaeda, comandada por Bin Laden,principalmente por causa de seus trajes típicos. "Houve um ataque contra alguns indivíduos. É precisodeterminar quem eram eles", disse Myers. "A equipe está lápara coletar as informações." Myers disse desconhecer se a equipe enviada ao local incluíamédicos forenses que poderiam ajudar a determinar quem morreu.Os enviados terão de coletar evidências e levá-las a basesmilitares norte-americanas para que mais exames sejam feitos,comentou Myers. Oficiais do Comando Central dos Estados Unidos e outrasagências discutiram sobre diversas horas para avaliar se oataque deveria ser realizado, relatou o general. De acordo comele, "diversas fontes de inteligência" influíram na decisão. O chefe do Comando Central, general Tommy Franks, foiquestionado sobre o ataque após testemunhar, ontem, perante aComissão de Forças Armadas do Senado dos EUA sobre a situação daguerra no Afeganistão. O militar disse aos senadores que ainda resta muito trabalho afazer, apesar de o regime Taleban ter sido derrubado e aproteção da Al-Qaeda ter sido desmantelada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.