Americanos lembram 60 anos de Pearl Harbor

Os americanos lembraram, nesta sexta-feira, os 60 anos do ataque japonês a Pearl Harbor, que deixou 2.400 mortos e 1.700 desaparecidos e arrastou os Estados Unidos para a 2ª Guerra Mundial.O presidente George W. Bush comparou o ataque japonês aos atentados terroristas de 11 de setembro contra o World Trade Center, em Nova York, e o Pentágono, em Washington, que causaram a morte de cerca de 3 mil pessoas e levaram os Estados Unidos a declarar guerra ao terrorismo internacional.A data do devastador e inesperado ataque japonês, 7 de dezembro de 1941, foi classificada de "dia da infâmia" pelo então presidente Franklin Delano Roosevelt.Os japoneses afundaram ou danificaram seriamente 21 navios de guerra americanos e destruíram pelo menos 180 aviões da Força Aérea em terra. As perdas japonesas, no ataque, foram consideradas leves."Agora, uma nova data se coloca ao lado do 7 de dezembro: 11 de setembro de 2001", disse Bush, dirigindo-se a 25 sobreviventes do ataque a Pearl Harbor e a 200 veteranos da 2ª Guerra Mundial homenageados a bordo do porta-aviões USS Enterprise na base naval de Norfolk, na Virgínia."Nesse dia (11 de setembro), nosso povo e nosso modo de viver foram de novo brutal e repentinamente atacados - não por manobra tática de um complexo militar, mas por embuste sub-reptício de perversos terroristas", destacou o presidente.Ele acrescentou que o ataque a Pearl Harbor pôs em evidência o valor e a determinação militar dos americanos e "lembra a perversidade que existe no mundo e a necessidade de se manter sempre a vigilância contra ela".O Enterprise retornou aos Estados Unidos depois de cumprir missão nos ataques aéreos contra objetivos do Taleban e da rede terrorista Al-Qaeda, de Osama bin Laden, no Afeganistão."Os Estados Unidos 60 anos atrás e os Estados Unidos em setembro deste ano não pediram a guerra", comentou o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer. "Outros trouxeram a guerra até nós; e, quando isso acontece, os Estados Unidos se defendem."Outros 700 sobreviventes do ataque japonês se reuniram em Pearl Harbor numa cerimônia pública que teve também a presença de parentes de vítimas dos atentados ao WTC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.