Americanos querem indenização do Iraque por atentados de 11 de setembro

O Iraque foi acusado nesta quarta-feira de saber com antecedência que Osama bin Laden pretendia atacar o Pentágono e a cidade de Nova York em 11 de setembro e teria patrocinado "terroristas" para vingar sua derrota na Guerra do Golfo.A acusação consta de um processo aberto hoje numa corte federal de Manhattan e que tenta obter indenizações de mais de US$ 1 trilhão por perdas e danos."Já que o Iraque não pôde derrotar os Estados Unidos militarmente, recorreu a ataques terroristas contra cidadãos norte-americanos", dizem os autos do processo.A ação judicial, impetrada em nome de 1.400 vítimas dos atentados de 11 de setembro e seus familiares, aponta Bin Laden, a Al-Qaeda e o Iraque como réus.Apresentado por uma empresa de advocacia especializada em desastres aéreos, o processo tem a pretensão de ligar o Iraqueaos atentados de uma forma que nem mesmo o governo norte-americano tentou até agora.Parte do processo tem como base um artigo publicado em 21 de julho de 2001 num jornal da cidade iraquiana de Al-Nasiriyah, aquase 300 quilômetros de Bagdá. A Associated Press obteveuma cópia original do texto, em árabe, e uma tradução para oinglês providenciada pela empresa de advocacia.Segundo os autos, um colunista que assina seus artigos comNaeem Abd Muhalhal escreveu: "Bin Laden analisa seriamente, coma seriedade de um beduíno do deserto, uma forma de atacar oPentágono depois de destruir a Casa Branca."Os acusadores alegam que Muhalhal escreve regularmente para apublicação semanal e um ex-sócio teria dito que ele teveligações com o serviço secreto iraquiano no início dos anos 80.Segundo a empresa, o colunista foi elogiado no mesmo jornalnum artigo assinado pelo presidente Saddam Hussein em 1º desetembro de 2001.A firma alega ainda que Muhalhal escreveu que Bin Laden,descrito como um revolucionário, "insistia de forma convincenteque atacaria a América no braço que já estava doendo", o queseria uma referência ao atentado de 1993 contra o World TradeCenter, em Nova York.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.