AFP
AFP

EUA são simpáticos às posições de Francisco, indica pesquisa

Segundo levantamento da CNN feito às vésperas da visita papal, 74% dos católicos nos EUA têm uma visão positiva do pontífice

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON

23 Setembro 2015 | 02h00

WASHINGTON - O papa Francisco encontrará nos EUA fiéis simpáticos às suas posições e à direção que ele empreende à Igreja Católica. Pesquisas divulgadas na véspera de sua chegada a Washington mostraram que sua popularidade continua alta, ainda que tenha se reduzido em relação ao pico obtido em dezembro de 2013, nove meses após sua eleição.

Entre os católicos, 74% têm uma visão positiva do pontífice, segundo levantamento da CNN/ORC divulgado ontem. Há quase dois anos, o índice era de 83%. Entre os não católicos, a aprovação de Francisco é de 63%. A pesquisa indica que era elevada a expectativa em relação à chegada do papa: 78% dos católicos disseram aguardar com ansiedade a visita; entre os demais americanos, o porcentual era de 50%.

“Há um fenômeno pop star em torno do papa. Ele é uma celebridade e é um privilégio que ele venha à sua cidade”, disse ao Estado Mary Gautier, do Centro de Pesquisa Aplicada sobre o Apostolado da Universidade de Georgetown.

Para ela, a mensagem do papa também tem apelo para americanos que professam outra religião ou não têm fé. “O fundamental é a preocupação com os pobres, com a criação, com o sofrimento dos refugiados e dos imigrantes. E essa é uma mensagem que toca pessoas de todas as idades e crenças.”

Na pesquisa da CNN/ORC, 77% dos católicos avaliaram que Francisco está em conexão com o mundo moderno. Mas levantamento divulgado pelo Pew Research, há um mês, revelou que católicos divergem da orientação da Igreja em vários temas: 76% defendem a autorização para uso de métodos contraceptivos, 62% gostariam que padres tivessem permissão para se casar, 59% são favoráveis à ordenação de mulheres e 46% acreditam que a Igreja deveria reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O catolicismo é professado por 66 milhões de americanos, ou 22% da população. É a religião que individualmente reúne o maior número de fiéis, já que os protestantes estão divididos em várias denominações. 

Outro levantamento, divulgado pelo Pew Research em maio mostrou queda de 3,1 pontos no universo de católicos americanos no período 2007-2014.

 Segundo Jessica Martinez, pesquisadora sênior do instituto, uma das razões é o menor apelo de religiões, incluindo o catolicismo, entre os mais jovens. Além disso, a religião liderada por Francisco perde mais fiéis do que qualquer outra nos EUA. “Para cada pessoa que se torna católica após ser educada em outra fé há cerca de seis educadas como católicas que abandonam a Igreja”, observou.

Mais conteúdo sobre:
Papa Francisco EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.