AFP
AFP

Amigo de promotor comenta falta de digitais em revólver

Em entrevista ao jornal espanhol El País publicada ontem, o técnico em informática Diego Lagomarsino, que emprestou a Alberto Nisman a arma da qual partiu o disparo que matou o promotor, disse não saber por que suas digitais não estavam no revólver calibre 22. "Deveriam estar lá. As razões técnicas, não conheço", enfatizou.

O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2015 | 02h05

Após a entrevista, a promotora Viviana Fein, que investiga o caso, atestou que não foram encontradas digitais de Lagomarsino na arma, cedida no dia anterior à morte. Ele também respondeu a insinuações da presidente Cristina Kirchner, que em discurso em rede nacional disse, logo após a morte, que ambos mantinham uma "relação íntima".

"Se a presidente se referiu a uma relação homossexual, posso dizer que não", disse. Os indícios apresentados pela promotora até ontem apontam para um suicídio, espontâneo ou induzido. / R.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.