'Amigos da Síria' exortam rebeldes a negociar

PARIS - Representantes de 11 países reunidos em Paris, conhecidos como "Grupo de Amigos da Síria", exortaram ontem a Coalizão Nacional Síria (CNS) a participar da reunião de paz de Genebra 2, que será realizada em 22 de janeiro com o objetivo de encerrar a guerra civil, que já deixou mais de 130 mil mortos no país. O apelo foi feito na penúltima reunião prévia da conferência, ainda ameaçada.

Andrei Netto, Correspondente - O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2014 | 02h01

Em guerra contra o regime de Bashar Assad e extremistas islâmicos, os rebeldes impõem como condição que o ditador seja afastado do poder. A declaração final do evento reforçou essa disposição.

"A única solução ao conflito é uma verdadeira transição política", diz o documento. "Nós exortamos a CNS a responder favoravelmente ao convite enviado pelo secretário-geral da ONU e a criar uma delegação da oposição síria." Para tanto, os diferentes grupos da oposição terão de se reunir em uma só delegação, algo inédito.

Segundo o ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, o objetivo comum é pôr um fim na liderança de Assad. "Esse regime alimenta o terrorismo", disse o diplomata, descartando, porém, uma intervenção militar. "Não há outra solução além de uma solução política. E não haverá solução política sem Genebra 2."

Apesar das pressões, Ahmed Jarba, chefe do CNS, não confirmou que o grupo enviará representantes à Suíça. "Nós estamos de acordo para dizer que não há futuro para Assad e sua família na Síria", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.