Michael Sohn / AP
Michael Sohn / AP

Ameaça de bomba cancela amistoso entre Alemanha e Holanda

Polícia encontrou objeto suspeito e alegou motivos de segurança para suspender o jogo; torcida foi retirada da arena por 'ameaça crível à cidade'

O Estado de S. Paulo

17 de novembro de 2015 | 16h34

(Atualizada às 18h17) HANNOVER, ALEMANHA - Quatro dias depois dos atentados de Paris, quando homens-bomba atacaram o Stade de France, em um amistoso entre França e Alemanha, a polícia de Hannover cancelou nesta terça-feira, 17,   o jogo entre a seleção local e a da Holanda em virtude de uma "crível ameaça de bomba". A partida que seria disputada entre Bélgica e Espanha, também foi cancelada, em meio a um crescente clima de pânico envolvendo eventos culturais e esportivos. 

Segundo o jornal Kreiszeitung um caminhão-bomba disfarçado de ambulância foi colocado na frente do estádio.  O porta-voz da polícia de Hannover Volker Kluwe disse à rede de TV Deutsche Welle que toda a cidade estava sob ameaça, mas não confirmou a existência do veículo. “Havia um dispositivo destinado a explodir dentro do estádio”, afirmou.  De acordo com o ministro do Interior da Baixa Saxônia, Boris Pistorius, no entanto, nenhuma prisão foi feita  e nenhum explosivo foi encontrado até agora. 

Em entrevista coletiva, o Ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, disse que por razões de segurança não poderia detalhar informações sobre o atentado frustrado  e pediu compreensão ao povo alemão pelo cancelamento do jogo.

“Peço compreensão. A segurança das pessoas é prioridade. É um dia triste para a Alemanha porque a partida deveria mostrar unidade contra o terrorismo”, disse.  “Queremos continuar nossa vida normal, mas segurança é prioridade.”

Medo. A IDH Arena, estádio de Hannover onde Alemanha e Holanda disputariam a partida, foi esvaziado pela polícia a pouco mais de uma hora do início do jogo. Horas antes, a polícia tinha encontrado um pacote suspeito no local, mas após uma primeira avaliação a entrada da torcida tinha sido liberada. A decisão de cancelar o jogo foi tomada depois. A chanceler alemã, Angela Merkel e outros membros do governo alemão, compareceriam à partida.

Por meio de alto falantes no estádio, a polícia pediu que os torcedores deixassem o local de maneira calma e ordenada. As duas equipes também foram retiradas com segurança do estádio. Policiais patrulhavam os arredores da arena com metralhadoras automáticas e cães farejadores. 

Pouco após o cancelamento da partida, a polícia de Hannover decidiu também esvaziar a Arena de Shows TUI, que receberia um show da banda alemã The Söhne Mannheims. O local tem capacidade para 14 mil pessoas.

Ainda não está claro se a arena tinha sido fechada por precaução, em virtude do ataque ao Bataclan em Paris na sexta-feira, ou se também foi registrada uma ameaça concreta. 

Eventos. O clima de pânico provocado pelos atentados da sexta-feira fez diversos países reforçarem a segurança em eventos esportivos e culturais. Em Londres, o amistoso entre Inglaterra e França ocorreu sob forte esquema de segurança e com homenagens às vítimas dos atentados de Paris. Um jogador americano da equipe espanhola de Bilbao Basket se recusou a viajar para Nanterre, nas proximidades de Paris, para enfrentar a equipe local em jogo valido pela Eurocup.

 

Não foram só os eventos esportivos que foram afetados: bandas como U2, Foo Fighters, Motorhead, Deaftones e Coldplay, além do artista pop Prince cancelaram apresentações na capital francesa ou em países vizinhos nos últimos dias./ AP, REUTERS, AFP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaHolanda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.