Amorim diz que a ONU deve coordenar ajuda ao Haiti

Ministro disse que Brasil não deve substituir autoridades legitimas do país.

Alessandra Corrêa, BBC

25 de janeiro de 2010 | 20h57

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse nesta segunda-feira que a ajuda ao Haiti deve ser coordenada pela ONU.

"As Nações Unidas são a moldura que dá a necessária legitimidade ao conjunto de esforços internacionais em favor dos haitianos", disse o ministro em uma conferência para discutir a reconstrução do país em Montréal, no Canadá.

"A ajuda ao país pode e deve ser coordenada pelas Nações Unidas, com base em mandatos claros e adaptados às circunstâncias, que conciliem as dimensões de segurança e desenvolvimento", afirmou Amorim.

O ministro também afirmou que a ajuda internacional deve responder às prioridades do povo e do governo haitiano.

"Não estamos aqui para substituir as autoridades legítimas do Haiti", disse.

Durante o encontro, o primeiro-ministro do Haiti, Jean-Max Bellerive, disse que seu país tem condições de liderar o trabalho de reconstrução

"O governo haitiano está trabalhando em condições precárias, mas pode fornecer a liderança que as pessoas esperam", disse Bellerive.

Conferência

O encontro no Canadá reuniu os ministros do Exterior e delegados de 20 países doadores, além de representantes da ONU, do FMI e do Banco Mundial, e discutiu também os esforços de ajuda às vítimas do terremoto que devastou o Haiti e deixou mais de 150 mil mortos.

Ao final da reunião, foi definida a realização de uma conferência de doadores em março, liderada pelos EUA na sede da ONU em Nova York, para discutir mais detalhadamente questões relacionadas à reconstrução do país.

Segundo o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, anfitrião do encontro em Montréal, o trabalho de reconstrução do Haiti deve levar pelo menos 10 anos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
haitiamorimalessandra correa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.