Amorim diz que Brasil não concorda com Chávez em tudo

O chanceler brasileiro, Celso Amorim, disse nesta quinta-feira em Nova York que apesar de o Brasil apoiar a candidatura venezuelana a uma vaga rotativa do Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), o governo Lula não concorda necessariamente ?com as posições de um país?.Amorim se referia ao discurso feito pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, na Assembléia Geral, em que chamou o presidente americano, George W. Bush, de ?diabo?.O chanceler brasileiro recusou-se a comentar especificamente o pronunciamento de Chávez, mas acrescentou que tanto o presidente Lula quanto ele próprio têm sugerido para o governo venezuelano ?moderar o discurso? em relação aos Estado Unidos.?O Brasil é amigo da Venezuela e é também amigo dos Estados Unidos?, afirmou, acrescentando que existem ?cicatrizes de ambos os lados?.BolíviaQuanto às negociações da Petrobras com o governo Evo Morales sobre o fornecimento de gás boliviano ao Brasil, Amorim se disse otimista.?Conversei duas vezes com o presidente Morales agora em Havana?, disse.?Acho que o desejo deles (bolivianos) é que a Petrobras continue (na Bolívia), e o nosso também.? De acordo com Amorim, o Brasil não espera que a Bolívia reverta o decreto de nacionalização de seus recursos naturais.Ele acrescentou que o acordo ideal para a questão deverá equacionar ?o que seja ao mesmo tempo justo e viável para os dois lados?.BRICNa quarta-feira, além de participar da 61ª Assembléia Geral da ONU, Celso Amorim reuniu-se com os chanceleres dos chamados países BRIC, que além do Brasil incluem a Rússia, a Índia e a China.?Este é um grupo sui-generis, porque não nasceu de uma articulação, mas da constatação de analistas políticos e financeiros de que essas nações terão um peso cada vez maior nas próximas décadas?, disse.?É bom que desde já comecemos a nos entender.?Segundo o chanceler brasileiro, a partir de agora, representantes dos quatro países começarão a se encontrar periodicamente para discutir questões de interesse comum, como na área do comércio.?Além disso, dois desses países (Rússia e China) já são membros permanentes do Conselho de Segurança. E aqueles que não são (Brasil e Índia), querem ser.?A propósito da ambição brasileira de se tornar membro permanente do CS, Amorim disse que ?a questão é saber quando a reforma sai, porque ela terá que vir?.Ele acrescentou que o Brasil não pleiteia o direito de veto, como candidato a uma vaga permanente, pois ?o veto é um instrumento que progressivamente deveria ser abandonado?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.