Amorim não quer uso político de embaixada por Zelaya

Em uma conversa por telefone nesta manhã, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, pediu ao presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, que não faça uso político da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa. A conversa entre Zelaya e Amorim foi relatada hoje pelo senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado. Zelaya está na Embaixada do Brasil desde segunda-feira.

LEONARDO GOY, Agencia Estado

24 de setembro de 2009 | 13h17

Azeredo informou aos senadores que participam da audiência pública com o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, que conversou com Amorim no início desta tarde. "O ministro Amorim disse também que o governo brasileiro não tinha notícias prévias sobre a chegada de Zelaya à embaixada", disse Azeredo à comissão.

O senador afirmou ainda que Amorim lhe contou que há 60 pessoas no prédio da embaixada. "Os esforços são para que não haja acirramento dos ânimos e para que a Organização dos Estados Americanos (OEA) assuma a condução das negociações."

Tudo o que sabemos sobre:
HondurascriseAzeredoAmorimZelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.