Amorim quer diálogo para solucionar crises

DIREITOS HUMANOS

, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2010 | 00h00

O chanceler brasileiro, Celso Amorim, criticou o comportamento de alguns países ricos de apenas condenar governos que violam os direitos humanos com o objetivo de "lavar seus pecados do passado e ficar bem com suas consciências", sem dar uma solução real para as vítimas. Durante reunião na ONU, em Genebra, Amorim apresentou a proposta brasileira de insistir no diálogo para a solução de crises e usar a medida de condenação como último recurso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.