Amostras de antraz foram enviadas por engano a 9 Estados americanos

Pentágono diz que não foi registrado nenhum caso de contaminação pela bactéria

O Estado de S. Paulo

27 de maio de 2015 | 20h12

WASHINGTON - Amostras vivas da bactéria antraz foram inadvertidamente enviadas de um centro de pesquisa do Departamento de Defesa para laboratórios em nove Estados americanos, mas não houve incidentes por exposição ao vírus, informou o Pentágono nesta quarta-feira.

O porta-voz do Pentágono, coronel Steve Warren, disse que "não houve risco para o público em geral" ou qualquer caso confirmado de infecção por antraz em trabalhadores que potencialmente tenham sido expostos às amostras.

O Centro para o Controle e a Prevenção de Doenças está investigando a transferência acidental das amostras do bacilo vivo de antraz de um laboratório de Defesa em Dugway, Utah. O porta-voz disse que o Pentágono auxiliará na investigação.

A pesquisa era parte de um projeto em andamento para identificar ameaças biológicas, disse Warren. Laboratórios receberam amostras vivas de antraz em Texas, Maryland, Wisconsin, Delaware, New Jersey, Tennessee, Nova York, Califórnia e Virgínia, segundo a Associated Press.

Uma amostra enviada à base aérea Osan, na Coreia do Sul, foi destruída e não há sinais de que militares tenham sido expostos aos bacilos. / Dow Jones Newswires

Tudo o que sabemos sobre:
EUAantrazbactéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.