Amsterdã pode fechar cafés que vendem maconha

A prefeitura de Amsterdã ganhou permissão judicial para banir alguns dos estabelecimentos que vendem maconha em seu famoso distrito Red Light, intensificando a repressão no estilo de vida libertário na cidade.

AE, Agência Estado

23 de abril de 2014 | 16h29

A maconha é tecnicamente ilegal na Holanda, mas a posse de pequenas quantidades não é crime e há lugares que em que pequenas quantidades podem ser vendidas abertamente, as "coffeeshops". A prostituição é legalizada. Mas o prefeito Eberhard van der Laan argumenta que os bordéis do bairro e essas cafeterias estimulam a criminalidade e ele tem procurado fechá-los nos últimos anos.

Os donos de coffeeshops argumentam que as leis são aplicadas seletivamente contra eles.

Em uma decisão publicada nesta quarta-feira, o Tribunal Distrital de Amsterdã alinhou-se com a postura do prefeito, dizendo que ele "tem a liberdade para levar a cabo políticas que ele considere oportunas para proteger a ordem pública".

Desde 2006, a cidade fechou 192 de 482 estabelecimentos onde as prostitutas trabalham atrás das janelas no distrito de Red Light depois de ganhar o apoio dos tribunais para seu argumento que a alta concentração desses locais dificulta a regulação. No caso das coffeeshops, o plano é reduzir dos atuais 76 para 50. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Holandamaconha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.