Análise: Revoltas econômicas se transformam em levantes políticos facilmente

Ainda não é possível dizer onde a onda de manifestações no país vai parar, mas a nova geração de descontentes parece estar determinada

Christian Caryl* / W. POST, O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2018 | 05h00

Não se viam protestos assim no Irã em quase uma década. Nos últimos seis dias, manifestações foram registradas em cidades, vilas remotas e bairros da classe operária de Teerã. Não há como saber onde isto vai parar. A nova geração de descontentes parece estar determinada. O Estado iraniano, porém, está equipado com um gigantesco aparelho repressivo capaz de esmagar até a mais ínfima dissidência.

Onda de protestos cresce e 9 pessoas morrem em madrugada violenta no Irã

Seja qual for o resultado, a agitação atual já é um marco na história do Irã. Muita gente tinha esperança de que o sistema teocrático pudesse ser mudado de dentro para fora. Pensaram que, ao votar por candidatos reformistas, poderiam criar um país mais aberto e democrático. Os manifestantes atuais abandonaram essa esperança. Por quê?

A primeira razão tem a ver com o Movimento Verde, de 2009. Na época, milhares de iranianos tomaram as ruas em protesto contra a fraude eleitoral. Muitos haviam votado no reformista Mir Hossein Mousavi, mas a vitória foi do conservador Mahmoud Ahmadinejad - seus simpatizantes do clero teriam alterado o resultado final. Quando Ahmadinejad foi declarado vencedor, muitos opositores, principalmente os jovens de classe média, viram que a linha dura não permitiria reformas. Os manifestantes criticaram o regime e a repressão foi dura. Muitos foram mortos - provavelmente, nunca saberemos quantos com certeza. Milhares foram presos ou exilados.

O segundo golpe no sonho de uma perestroika iraniana foi dado pelo atual presidente, Hassan Rohani, reeleito no ano passado. Apresentando-se como reformista, ele ganhou graças às promessas de mudança que nunca cumpriu. O acordo nuclear com o Ocidente, que aliviou as sanções, deveria ter inaugurado uma nova onda de prosperidade - que nunca veio. O próprio Rohani mostrou que o fracasso era culpa dos iranianos. 

Ano passado, ele tentou dar transparência ao publicar detalhes do orçamento, mas foi um tiro n’água. Muitos iranianos ficaram irritados ao descobrir que bilhões de dólares iam parar na conta de obscuras fundações religiosas ou foram gastos em aventuras militares na Síria, Iraque e Líbano. Tudo isso em meio a uma economia em crise. Por isso, é fácil entender por que o aumento do preço de alguns alimentos, em dezembro, tenha desatado a revolta. Como já vimos em outras autocracias, os protestos economicamente motivados se transformam facilmente em políticos ao longo do tempo.

* É JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.