ANÁLISE-Ano eleitoral pressiona Bush a usar reserva de petróleo

O presidente dos EUA, George W.Bush, pode ficar tentado a avançar sobre a chamada ReservaEstratégica de Petróleo para ajudar o candidato do PartidoRepublicano à sua sucessão, mas analistas acham que isso teriapouco impacto no sentido de reduzir o preço da gasolina -- econseqüentemente seduzir eleitores. O candidato republicano -- seja quem for -- provavelmentevai pressionar a Casa Branca a usar esse estoque emergencial depetróleo, especialmente se estiver muito atrás de um(a)democrata nas pesquisas. "Bush pode ser muito pressionado a agir antes que aspessoas se convençam de que de jeito nenhum vão votar numrepublicano", disse Daniel J. Weiss, especialista em energia doCentro para o Progresso Americano, de Washington. A história mostra, porém, que esse recurso tem efeitoefêmero. O ex-presidente Bill Clinton foi acusado de usar ademanda do inverno como pretexto para liberar cerca de 30milhões de barris das reservas estratégicas em setembro de2000, supostamente para ajudar o democrata Al Gore, que poucassemanas depois acabaria derrotado por Bush na eleiçãopresidencial. Naquela época, o preço do combustível caiu cerca de 1 dólarpor barril durante uma semana, e o da gasolina caiu cerca de 1centavo de dólar por litro, antes de subir de novo. A Reserva Estratégica de Petróleo, criada pelo Congresso emresposta ao choque do petróleo de 1973, contém atualmente cercade 698 milhões de barris de petróleo bruto em quatro armazénssubterrâneos do Texas e Louisiana. Os EUA consomem cerca de 21milhões de barris por dia. Usar tais reservas "podem gerar algum alívio, mas como omercado não esperaria que tal libertação de petróleo continue,o impacto sobre o preço será limitado", disse TancredLidderdale, analista de petróleo da Administração de Informaçãoda Energia, um órgão federal. "É uma pílula temporária para umaenxaqueca permanente", disse ele, referindo-se à tendênciaglobal de que a demanda por petróleo cresça mais que aprodução. Bush promete não usar a Reserva Estratégica de Petróleocomo instrumento político. "Como você pode lembrar, essa foiuma questão na campanha de 2000, em que eu claramente disse quenão avançaríamos sobre a Reserva Estratégica de Petróleo parapropósitos políticos", disse Bush à Reuters em entrevistaconcedida na semana passada no Salão Oval da Casa Branca. "A Reserva Estratégica de Petróleo está disponível paraemergências, ataques terroristas e deslocamentos em massa, epara isso ela está lá", acrescentou. Mas o cenário político pode levar ao uso desse recurso. Ofornecimento já está restrito, e o governo diz que precisariahaver mais petróleo no mercado mundial para que fosse possívelrecuperar os estoques e reduzir o preço do produto -- que nasemana passada atingiu a cotação recorde de 100 dólares porbarril."Suponho que se os preços estiverem bem acima de 100 dólarespor barril e se as pessoas estiverem tendo prejuízo aoencostarem no seu posto de gasolina favorito, então talvezpossa haver uma forte tentação de fazer algo como o presidenteClinton fez", disse Robert Ebel, especialista em energia doCentro de Estudos Estratégicos e Internacionais, de Washington. "Se eles puderem sugar a Reserva Estratégica de Petróleosob o disfarce de agir para se contrapor a uma emergênciainternacional, eles o farão, particularmente se o PartidoRepublicano não der a impressão de que está indo bem naseleições", disse Sarah Emerson, diretora da empresa EnergySecurity Analysis Inc, de Boston.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.