Mike Segar/REUTERS
Mike Segar/REUTERS

Análise: Chamar rival de 'dorminhoco' pode ser tiro pela culatra

Trump manteve o nível tão baixo por tanto tempo que muitos de seus apoiadores esperam um nocaute – se ele não vier, campanha democrata terá ganho um presente não intencional

Annie Karnie e Maggie Haberman*, The New York Times

28 de setembro de 2020 | 05h00

O presidente Donald Trump enquadrou o primeiro debate da eleição geral como um teste para seu oponente, o ex-vice-presidente Joe Biden.

No entanto, ele simultaneamente manteve o nível tão baixo por tanto tempo que muitos de seus apoiadores – tendo assistido a vídeos nada lisonjeiros e muitas vezes manipulados de Biden em anúncios de campanha de Trump ou na Fox News – agora esperam que o presidente “esfregue no chão” um oponente incoerente em algo parecido com uma luta de WWE. Os democratas – e até mesmo alguns republicanos – acreditam que isso provavelmente não acontecerá.

A noção enganosa de que Biden está muito confuso para assumir a presidência foi impulsionada por Trump desde 2018, quando ele começou a se referir ao ex-vice-presidente como “Sleepy Joe” (‘Joe Dorminhoco’). Desde então, em discursos, entrevistas e comícios, Trump vem elaborando uma narrativa que retrata o ex-vice-presidente como alguém de pequena estatura física e mental, na esperança de fazer os eleitores acreditarem nisso.

Mais recentemente, o presidente lançou a conjectura infundada de que Biden usava drogas para melhorar o desempenho. Os aliados de Trump levaram o assunto ainda mais longe. O deputado Joe Murphy, da Carolina do Norte, afirmou abertamente no mês passado que Biden sofria de demência.

Tudo isso significa que se Biden não parecer fraco, o tiro saiu pela culatra. Brett O’Donnell, um estrategista republicano que treinou candidatos para debates, disse que a campanha de Trump pode ter dado a Biden um presente não intencional.

* SÃO JORNALISTAS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.