Susan Walsh/AP
Susan Walsh/AP

Análise: Como frustrar a estratégia do presidente na eleição

Se Trump estiver liderando a disputa na noite decisiva, há uma boa chance de que ele tente atrapalhar e deslegitimar o processo

Jamelle Bouie, The New York Times

15 de agosto de 2020 | 05h30

Não há mistério sobre a estratégia que o presidente Donald Trump pretende adotar caso esteja liderando a contagem de votos na eleição em novembro. 

Primeiro, ele reivindicará a vitória. Então, depois de passar a maior parte do ano denunciando o voto por correspondência como fraudulento e sujeito a abusos, ele exigirá que as autoridades parem de contar as cédulas postadas e também os eleitores ausentes. Trump terá ainda equipes de advogados contestando contagens e votos em todo o país.

O republicano também parece estar contando com a lentidão no correio. Menos coletas podem significar mais atraso nos votos e uma chance melhor de dispensá-los antes mesmo de eles serem abertos, especialmente se a campanha de Trump conseguir impedir os Estados de estender os prazos. 

Em outras palavras, se Trump estiver liderando a disputa na noite da eleição, há uma boa chance de ele tentar atrapalhar e deslegitimar o processo. A única maneira de evitar esse cenário, ou pelo menos sabotar essa estratégia, é dar a Joe Biden a liderança na noite da eleição. Na prática, isso significa votar pessoalmente. Não, nem todos serão capazes de fazer isso, mas se você planeja votar contra Trump e pode tomar as precauções adequadas para ir até a sua seção, terá adotado a melhor prática para proteger seu voto da tentativa do presidente de minar a eleição para que ele seja beneficiado.

Trump é o azarão na corrida presidencial deste ano. Ele está atrás de 8,2 pontos porcentuais, na média, no FiveThirtyEight ; 6,9 pontos, na média, no RealClearPolitics, e 9 pontos, no 270ToWin . O presidente está desesperado para se manter no poder, mas provavelmente não conseguirá vencer a eleição se houver uma disputa justa. Sua solução, então, é fazer tudo ao seu alcance para impedir a oposição e obter a maioria do Colégio Eleitoral ou reivindicar a vitória antes que todos os votos tenham sido contados.

Segundo site Politico, assessores e conselheiros de Trump na Casa Branca têm buscado maneiras de restringir a votação por correspondência com ações que vão “desde direcionar o serviço postal para não entregar cédulas até impedir que as autoridades locais as contem após o dia da eleição”.

Para evitar os piores resultados, Trump deve cair logo no começo da contagem. A tarefa de seus oponentes é tornar sua derrota o mais óbvia possível. A pandemia pode tornar isso um risco, mas é um perigo que muitos de nós podemos ter de correr.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.