REUTERS/Allison Shelley/File Photo
REUTERS/Allison Shelley/File Photo

Análise: Democracia depende de republicanos no comando do Senado

Se líderes republicanos prezassem seu juramento de posse, se uniriam aos democratas para aprovar uma lei protegendo a independência de Mueller

Max Boot / THE WASHINGTON POST, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2018 | 05h00

A primeira coisa que Donald Trump fez ao receber o resultado das eleições foi demitir o secretário da Justiça, Jeff Sessions. Em seu lugar, designou secretário interino não o substituto natural – o subsecretário Rod Rosenstein –, mas o chefe de gabinete de Sessions, Matthew Whitaker. Por que?

Ex-promotor distrital no Distrito Sul de Iowa, o grandalhão Whitaker é um “trumpista” de carteirinha. Em 2014, numa entrevista reveladora, ele disse que tinha uma “visão cristã” do mundo. E desandou a atacar aborto, casamento do mesmo sexo, Obamacare, controle de armas, anistia para imigrantes ilegais, esforços para conter mudanças climáticas, aumento de impostos e a ajuda a países “que não gostam de nós”. 

Whitaker tem a mesma visão política conservadora de Sessions. Mas será que compartilhará também a intenção de Sessions de permitir o prosseguimento da investigação sobre a interferência russa na eleição presidencial de 2016?

Como analista privado, Whitaker concordou com Trump quando o presidente estabeleceu uma barreira contra investigações sobre suas finanças. Justificou ainda a decisão da campanha de Trump de se reunir com um agente russo. E criticou a ideia de que o presidente deveria ser acusado de obstruir a Justiça. 

Falando na CNN, em julho de 2017, pouco antes de começar a trabalhar no Departamento de Justiça, Whitaker afirmou que Trump deveria cortar o orçamento de Mueller, em vez de demiti-lo. A Comissão de Justiça do Senado já aprovou uma lei para proteger Mueller, permitindo que ele apele a um painel de juízes frente a uma eventual demissão. Mas o líder republicano, o senador Mitch McConnell, não levou o texto ao plenário. 

É claro que, mesmo que a legislação tivesse passado, ela não o protegeria do tipo de ataque sorrateiro que Whitaker pode desfechar ao cortar o financiamento e reduzir gradualmente a força de Mueller. Se líderes republicanos prezassem seu juramento de posse, se uniriam aos democratas para aprovar uma lei protegendo a independência de Mueller. 

Se Trump tentar descaradamente obstruir a Justiça, estará apressando o próprio fim, se houver no Congresso um número suficiente de republicanos com senso de responsabilidade. Republicanos modernos puseram sua fé em Trump acima da Constituição. Agora, a pergunta é se alguém, na maioria republicana do Senado, terá coragem de lutar pela democracia americana. Tenho medo da resposta. / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

É COLUNISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.