Andrew Harnik/Pool via EFE/EPA
Andrew Harnik/Pool via EFE/EPA

Análise: Desordem é marca da equipe de defesa de ex-presidente

Donald Trump deve ser absolvido no Senado. Mas só porque sua defesa deve vencer, não significa que ela é boa.

Aaron Blake*, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2021 | 05h00

Donald Trump deve ser absolvido no Senado. Mas só porque sua defesa deve vencer, não significa que ela é boa. Os advogados de Trump se basearam em argumentos que pouco fazem para livrá-lo da culpa por ter incitado a invasão do Capitólio, em 6 de janeiro. Eles apenas sustentam que o processo é inconstitucional e Trump tem direito à liberdade de expressão.

A petição que sua equipe jurídica apresentou reflete a abordagem do próprio Trump com relação à política. Ao apresentar o argumento de inconstitucionalidade, os advogados citam a análise do professor de direito Brian Kalt. Eles observam que Kalt citou as palavras de patriarcas dos EUA, como Alexander Hamilton, dizendo que “Hamilton parecia acreditar que a remoção era um componente obrigatório da pena de impeachment, o que sugere que ele considerava impossível o impeachment tardio”. No entanto, como Kalt observou, a análise que eles citam, de 2001, na verdade, argumentava em favor do impeachment de um presidente que já havia deixado o cargo. 

Em outro ponto, quando a defesa aborda o discurso de Trump antes da invasão, ela sugerem que a retórica do presidente, que pedia para seus apoiadores “lutarem”, era uma expressão figurada. Esta é uma defesa válida, já que as metáforas permeiam a política. Mas os próprios advogados admitem que Trump repetiu a palavra “luta” várias vezes, querendo fazer dela um tema do discurso. Por fim, eles dizem que a multidão iniciou a invasão 19 minutos antes de Trump terminar seu discurso – o que serve para absolvê-lo. É como se a defesa soubesse que não precisa de argumentos coerentes para evitar que 17 senadores republicanos condenem Trump. Resta saber se estes senadores exigirão um pouco mais desses advogados. 

* É JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.