Scott Olson/Getty Images/AFP
Scott Olson/Getty Images/AFP

Análise: Estados que indicam os problemas do Partido Republicano

Na Geórgia e na Carolina do Sul, até disputa pelo Senado está apertada

Jennifer Rubin*, The Washington Post

16 de outubro de 2020 | 05h00

Não me lembro quando os Estados de Geórgia e Carolina do Sul votaram em um presidente democrata. Na Carolina do Sul, a última vez foi em 1976. Na Geórgia, foi em 1992 com o sulista Bill Clinton. Donald Trump venceu a Geórgia por 5 pontos e a Carolina do Sul por 14 pontos, em 2016. Hoje, está 1,2 ponto atrás na Geórgia e lidera com apenas 7 pontos na Carolina do Sul.

As disputas pelo Senado nos dois Estados também estão apertadas. É impressionante pensar que um democrata poderia ganhar na Geórgia e três democratas poderiam ser eleitos para o Senado em dois redutos republicanos. Isso é um problema assustador para Trump, visto que Joe Biden nem sequer precisa vencer nesses Estados para se tornar presidente, nem o Partido Democrata precisa de qualquer uma dessas três cadeiras para obter a maioria no Senado.

Biden está à frente nos Estados que ele realmente precisa para vencer (Wisconsin, Michigan, Pensilvânia) e está um pouco à frente em Iowa, Flórida, Arizona e Carolina do Norte. Em resumo, os Estados que Biden tem de vencer estão seguros. No dia da eleição, as votações de Geórgia e Carolina do Sul se encerram às 19 horas. As urnas serão fechadas às 19h30 na Carolina do Norte. Em partes da Flórida, a eleição termina às 19 horas e o restante às 20 horas. Isso significa que saberemos cedo sobre como estará a temperatura do eleitorado. 

Se vencer no Meio-Oeste (Michigan, Wisconsin e Pensilvânia), Biden já terá 278 votos no colégio eleitoral. Se ganhar também Flórida, Geórgia, Ohio, Carolina do Norte e Arizona terá 367. E ainda há outros Estados que o democrata pode vencer – como Iowa e Texas. Cada vez mais, a dúvida é o tamanho da vitória de Biden. 

Se Biden for declarado cedo vencedor na Costa Leste, os republicanos do Meio-Oeste podem nem se dar ao trabalho de votar. Pense nisso como um efeito dominó, caindo de leste para oeste. Por fim, os candidatos republicanos ao Senado estão em um beco sem saída: com medo de perder a base de apoio, mas alienados de moderados e independentes. O apego deles a Trump os tornou quase tão impopulares quanto ele. E não foi por falta de aviso.

* É COLUNISTA E SE IDENTIFICAVA COMO ELEITORA DO PARTIDO REPUBLICANO ANTES DA ERA TRUMP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.