AP Photo/Ramon Espinosa
AP Photo/Ramon Espinosa

Análise: Guinada contra o regime cubano pode ter efeito indesejado

A história sugere que Havana reagirá tentando se beneficiar do novo antagonismo, restringindo a independência e a informação que germinaram no país nos últimos quatro anos

Christopher Sabatini / THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2017 | 05h00

Donald Trump revogará parte das medidas adotadas por Barack Obama para flexibilizar o embargo decretado 56 anos atrás contra Cuba. Até onde irá o presidente? Mais importante que o conteúdo do anúncio será a maneira como o Congresso dos EUA, as empresas e outros grupos interessados reagirão. E importante também será a reação do governo cubano. 

Nos últimos 50 anos, o regime gerontocrático cubano sobreviveu porque o embargo não isolou a população cubana do seu vizinho mais próximo – incluindo quase dois milhões de cubanos que vivem nos EUA, mas também proporcionou uma desculpa conveniente para o fracasso econômico. Apesar das afirmações dos defensores do embargo, sua severidade nunca ajudou a melhorar a questão dos direitos humanos. 

Desde que Obama anunciou a primeira de uma série de reformas para normalizar as relações, em 2014, EUA e Cuba passaram a colaborar na luta contra o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro, a cooperar para reforçar a segurança de portos e aeroportos, e garantir visitas de autoridades. As mudanças também trouxeram empregos e renda para a economia americana. 

Desde que Obama afrouxou as regras que restringiam as viagens, o turismo explodiu. No ano passado, cerca de 4 milhões de pessoas visitaram a ilha, incluindo mais de 600 mil dos EUA – um aumento de 34% em relação a 2015. Essas viagens alimentaram o setor hoteleiro dos dois lados do Estreito da Flórida.

O governo de Raúl Castro obteve benefícios monetários com o fluxo crescente do turismo. Mas tem resistido à abertura que viria em troca. Não prendeu mais prisioneiros políticos na mesma proporção de antes. Sua nova tática é deter temporariamente os ativistas. Mas a barreira foi derrubada.

Sim, o embargo ainda tem força de lei e Trump pode eliminar as mudanças da era Obama com uma simples assinatura. Mas o Congresso não é impotente. No mês passado, um grupo bipartidário de 55 senadores assinou um ato para pôr fim às restrições de viagens a Cuba.

Caso Trump rejeite a iniciativa, as universidades que têm desfrutado da liberdade de intercâmbio acadêmico, as empresas e seus empregados e os milhões de cidadãos que viajaram para a ilha e se relacionaram com as comunidades cubanas têm de emitir sua opinião. E insistir que as políticas existentes atendem aos interesses de longo prazo dos EUA e promovem os valores de abertura e a confiança na liberdade e na mudança, o que no final ajudam na questão dos direitos humanos.

O governo cubano terá de evitar reagir desproporcionalmente à retórica e às denúncias exorbitantes que acompanharão as mudanças, o que não é provável. A história sugere que o governo cubano reagirá tentando se beneficiar do novo antagonismo – como já fez em 2003 – restringindo a independência e a informação que germinaram no país nos últimos quatro anos. Afinal, que autocrata resiste a se colocar como vítima e culpar os outros pelos seus fracassos políticos e econômicos? / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É DIRETOR SÊNIOR DE POLÍTICA DA AMERICAS SOCIETY E DO CONSELHO DAS AMÉRICAS (COA)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.