Meridith Kohut/The New York Times
Meridith Kohut/The New York Times

ANÁLISE: Incluir Venezuela em lista de apoiadores do terrorismo é um erro

Donald Trump ameaça incluir a Venezuela na lista de Estados patrocinadores do terrorismo. O instrumento, porém, é questionável e há poucas evidências de que ajudou os EUA a ficarem mais seguros

Amanda Erickson / W. POST, O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2018 | 05h00

A Venezuela é um país em crise. Sua economia está em frangalhos. A previsão de inflação deste ano é de 1.000.000%, uma das mais altas da história. O acesso aos serviços públicos e de saúde é quase impossível. Os blecautes são comuns, a água é escassa e o transporte público está quase paralisado. A criminalidade é alarmante: 4 das 10 cidades mais perigosas do mundo estão na Venezuela. 

A comida é tão escassa que 60% dos venezuelanos dizem estar emagrecendo. Doenças há muito tempo erradicadas, como difteria e tuberculose, ressurgiram. As coisas estão tão ruins que os pais deixam seus filhos em orfanatos porque não têm condições de alimentá-los. Está claro que o país necessita de ajuda.

Mas, em vez disto, Donald Trump agora ameaça incluir a Venezuela na lista de Estados patrocinadores do terrorismo. Somente quatro países – Irã, Coreia do Norte, Sudão e Síria – estão incluídos na relação. Os requisitos para entrar na lista são vagos. Segundo Joseph DeThomas, professor da Universidade da Pensilvânia, a inclusão de países na lista leva mais em conta o contexto político e diplomático. 

O instrumento, porém, é questionável e há poucas evidências de que ajudou os EUA a ficarem mais seguros. Segundo estudo da Brookings Institution, o conceito de Estados patrocinadores do terrorismo está ultrapassado e é contraproducente. “Trata-se de uma lista binária, com países dentro ou fora dela. É falho e causa mais danos aos interesses dos EUA do que o contrário”, afirma o estudo. 

Os autores alegam que a seleção não é precisa. O Paquistão, que há muito tempo ajuda grupos terroristas, não está na lista. Quinze dos 19 terroristas que realizaram os ataques de 11 de setembro de 2001 eram da Arábia Saudita, mas o país jamais foi incluído. O que é necessário, diz o estudo, é um consenso internacional sobre o que é terrorismo patrocinado pelo Estado e punições claras para aqueles que se enquadram na definição.

Mesmo se a lista fosse importante e claramente definida, por que a Venezuela seria incluída? Republicanos como o senador Marco Rubio afirmam que Maduro possui vínculos com a milícia libanesa do Hezbollah e com as Farc da Colômbia. Mas, segundo especialistas, não é verdade. “Suspeito que essa inclusão se baseia em rumores e fontes questionáveis”, diz David Smilde, do Washington Office on Latin America.

É possível que a inclusão da Venezuela na lista enfraqueça ainda mais o governo, tornando mais difícil para as empresas de petróleo dos EUA negociarem com os venezuelanos. Mas é improvável que contribua para a derrubada de Maduro. Na verdade, pode até ter efeito contrário, dando a ele razões para afirmar que os EUA são o real inimigo e a causa dos problemas do país. No final, ficará mais difícil para os americanos oferecerem a ajuda humanitária. 

Quase 2 milhões de venezuelanos já fugiram. Eles vêm deixando o país numa proporção de 15 mil pessoas por dia, sobrecarregando os sistemas públicos de saúde dos vizinhos. Em resposta, foi criado o Grupo de Lima para lidar com o tema e pressionar por uma transição pacífica de poder. No entanto, sem apoio dos EUA é difícil imaginar que esses gestos tenham impacto no longo prazo. O que os venezuelanos precisam é de comida, remédios e ajuda financeira. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.