REUTERS/Gonzalo Fuentes
REUTERS/Gonzalo Fuentes

Análise: Macron precisará de tempo para reformar economia em uma França dividida

Mudanças propostas pelo novo presidente da França para recuperar vigor do país dependem de como seu o partido vai se sair nas eleições legislativas; mesmo que obtenha maioria, porém, elas devem levar meses ou até mesmo anos

O Estado de S.Paulo

08 Maio 2017 | 10h51

PARIS - Depois de uma década de crescimento lento, desemprego em alta e diminuição da competitividade, a França elegeu um presidente no domingo que diz ter um plano para tirar o país de seu torpor econômico.

Emmanuel Macron, um ex-banqueiro de investimento que desistiu do governo de François Hollande por frustração com o ritmo lento das reformas, promete reformar o mercado de trabalho e simplificar os sistemas tributários e previdenciários, além de rever regulamentações que segundo ele dificultam a inovação.

Mas à medida que ele se prepara para entrar no Palácio do Eliseu após derrotar a candidata de extrema direita Marine Le Pen, o ex-ministro da economia de 39 anos de idade enfrenta grandes obstáculos.

Ele vai tentar implementar sua agenda de reformas em um momento em que a França está mais dividida do que nunca sobre como responder às forças disruptivas da globalização.

A campanha eleitoral mostrou que quase metade do país preferiria uma abordagem dirigista da economia, em que o papel do Estado francês fosse expandido, e não encolhido, como propõe Macron.

Para ter uma chance de implementar seus planos, ele terá que garantir apoio parlamentar, o que vai depender de como seu partido, En Marche! vai se sair nas eleições legislativas no próximo mês.

E mesmo que obtenha a maioria de que precisa, é provável que muitas de suas reformas levem meses, ou até mesmo anos, para produzir resultados.

Atrasos poderiam expor Macron e seu governo à mesma oposição que há alguns anos retirou do governo alemão o chanceler Gerhard Schroeder, responsável pelas reformas da "Agenda 2010" da Alemanha.

"Macron está prometendo uma abordagem incremental cujo sucesso dependerá das negociações com os sindicatos", disse Gilles Moec, economista-chefe do Bank of America Merrill Lynch. "Eu entendo a estratégia, mas ela não é algo que dará resultados imediatos. Vai exigir tempo." / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.