Money Sharma/AFP
Money Sharma/AFP

Análise: Modi usa imagem de Gandhi, mas é oposto ao líder pacifista

A RSS, organização da qual primeiro-ministro 'nasceu', despreza a Índia plural da visão de Mahatma

Meena Ahamed, The Washington Post

25 de fevereiro de 2020 | 05h00

Nova Délhi, como os presidentes americanos anteriores, e sim no Estado de Gujarat, onde nasceram o primeiro-ministro Narendra Modi e Mohandas “Mahatma” Gandhi, pai da Índia moderna, que liderou o país rumo à independência em 1947.

A comitiva presidencial foi levada até Sabarmati Ashram, retiro fundado por Gandhi, que serviu como lar dele e centro do movimento pela liberdade. A escolha pode parecer estranha para Modi, um político nascido da RSS, organização dedicada a tornar a Índia um país hindu. Foi da RSS que nasceu o Partido Bharatiya Janata (PBJ), do qual Modi faz parte e que governa o país. 

A RSS despreza a Índia plural da visão de Gandhi, que buscava proteger os direitos das minorias e garantir que a Índia se tornasse um país secular. Mas o gênio político de Modi está a ponto de reescrever a história da Índia, retratando sua pauta hindu militante como algo abençoado pelo halo sagrado de Gandhi, a quem as massas ainda reverenciam. 

Os dois nunca se conheceram – Gandhi foi assassinado em 1948, dois anos antes do nascimento de Modi. Mas, a julgar pelo uso que Modi faz de Gandhi, seria de se pensar que o líder da independência foi seu mentor. A campanha Índia Limpa, de Modi, lançada em 2014, adotou a armação fina dos óculos de Gandhi como seu logotipo. Modi publicou uma eulogia ao Mahatma no NYT intitulado “Por que a Índia e o mundo precisam de Gandhi”. O bisneto de Gandhi, Tushar Gandhi, ficou horrorizado ao ver o PBJ explorando o legado do seu bisavô e, ao mesmo tempo, tolerando membros que trabalham para reabilitar a imagem do assassino de Gandhi, Nathuram Godse, fanático hindu de direita que pertencia à RSS. 

Além de terem nascido no mesmo Estado e serem vegetarianos, Gandhi e Modi têm pouco em comum. Na verdade, Modi e o PBJ repudiaram muito do que Gandhi defendia: a não-violência e a tolerância. Quando Modi era governador de Gujarat, entre 2001 e 2014 – admirado como político bem-sucedido, defensor dos negócios e inimigo da corrupção – turbas de hindus sob responsabilidade dele em Godhra massacraram quase 2 mil muçulmanos ao longo de vários dias em 2002. Na sequência do confronto, pouco foi feito para compensar as vítimas ou garantir sua segurança. O caso atraiu a condenação internacional e foi investigando pelo governo e organizações de direitos humanos. As suspeitas envolvendo o papel desempenhado por Modi foram suficientes para que ele tivesse o visto americano negado até 2014, quando se tornou primeiro-ministro.

Modi nada fez para proteger os direitos das minorias, especialmente dos muçulmanos e, pela primeira vez, muitas pessoas deixaram de se sentir bem-vindas no próprio país. Em agosto de 2019, ele revogou a autoridade limitada concedida à Caxemira, único Estado indiano de maioria muçulmana, e posteriormente emendou a lei de cidadania da Índia para que passasse a discriminar explicitamente os muçulmanos.

Tudo o que sabemos sobre:
Índia [Ásia]Narendra Modi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.