Martin Bernetti / AFP
Martin Bernetti / AFP

Análise: O que está acontecendo com o Chile?

Por trás da estabilidade política e seus invejáveis números macroeconômicos, diversos setores ficaram excluídos, o que levou ao longo dos anos a um descontentamento social que explodiu com força

Giovanna Fleitas / Agência France-Presse, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2019 | 20h22

O admirado modelo chileno escondia profundas rachaduras. Por trás da estabilidade política e seus invejáveis números macroeconômicos, diversos setores ficaram excluídos, o que levou ao longo dos anos a um descontentamento social que explodiu com força.

A raiva tomou conta das ruas. Nem a saída de militares, decretada no sábado pelo presidente direitista Sebastián Piñera em meio ao caos, serviu para conter o grito de milhares de pessoas cansadas das injustiças de um sistema político que em seus pilares se mantém quase intacto ao herdado da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Para Entender

Guia para entender os confrontos no Chile

Presidente diz que país está ‘em guerra’ diante das manifestações violentas; entenda o que está acontecendo

“De fora se viam somente as conquistas do Chile, mas dentro há um alto nível de fragmentação, segregação e uma juventude, que embora não tenha vivido a ditadura, saiu às ruas para mostrar sua raiva e decepção”, explica Lucía Dammert, analista da Universidade de Santiago.

Com uma inflação de 2% ao ano, pobreza de 8,6% e um crescimento esperado para este ano de 2,5%, um dos mais altos em uma região de crise, o chamado modelo chileno causava inveja a muitos na América Latina, ainda que seus indicadores sociais – como saúde, educação e pensões – escondiam algumas injustiças.

“Muitas demandas estavam latentes e não haviam sido respondidas. Acumulou-se a tensão, a frustração que se reforça a cada dia com a vida cotidiana”, destaca Octavio Avendaño, sociólogo e analista político da Universidade de Chile.

Para este especialista, não é à toa que a gênese da explosão social foi o aumento de 3% nas tarifas de metrô, uma medida que o presidente Sebastián Piñera congelou quando as manifestações estavam fora de controle e somavam reivindicações históricas da classe trabalhadora.

Desigualdade crônica, em um país que ostenta a renda per capita mais alta da América Latina (mais de US$ 20 mil), um criticado sistema de pensões que aposenta a maioria da população com rendas inferiores ao salário mínimo (de uns US$ 400), elevados custos de saúde e educação e a constante pressão do mercado imobiliário, que torna impossível para muitos conseguir moradia própria, formaram uma força difícil de conter, segundo os analistas.

O sociólogo Alberto Mayol, da Universidade de Santiago, explica que “em uma sociedade na qual os benefícios sociais são de mercado e a integração social se produz por meio do consumo, as pessoas precisam comprar para estarem inseridas na sociedade e para isso necessitam se endividar”.

O endividamento é um dos grandes males que afeta aos chilenos. Uma a cada três pessoas com mais de 18 anos têm um saldo financeiro que não pode enfrentar com seus próprios recursos, segundo um estudo da Universidade San Sebastián y Equifax.

Esse endividamento afeta milhares de pessoas que saíram da pobreza nos últimos anos, mas sofrem a opressão de pertencer a uma classe média que não conta com muitos benefícios sociais. São os filhos e netos dessas famílias os que iniciaram a atual revolta sem precedentes.

Com Piñera liderando um governo repleto de figuras do mundo empresarial, as manifestações estão carregadas de alusões ao poder econômico de seus dirigentes e à injustiça de um sistema que privilegia o capital. “A política precisa fazer mea culpa e a população estaria agradecida em aceitá-la”, disse Lucía. 

Para Mayol, a situação está fora de controle e “o fenômeno que vem a seguir é um mistério”.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.