Andrew Kelly/Reuters
Andrew Kelly/Reuters

Análise: Pandemia e política

O atual contexto internacional se caracteriza justamente pela existência de desafios globais

Roberto Abdenur*, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2020 | 04h00

Nos últimos dias, o Brasil procedeu a radical ruptura na sua política externa. Deixou de apoiar iniciativas multilaterais sobre a pandemia. Recusou-se a copatrocinar projeto de resolução na ONU, apresentado por 178 países. Essa recusa foi estimulada pela rejeição ao projeto pelos EUA, que se opunham a um papel de liderança da OMS no enfrentamento da doença.

A isso, somam-se declarações do chanceler Ernesto Araújo, que denunciou um imaginário plano pelo qual o “globalismo”, aproveitando a crise, procuraria difundir sua “ideologia comunista”. Ele se deixa inebriar por delírios e devaneios de sentido conspiratório, desprovidos de conexão com a realidade. O chanceler deu agora mais um passo no processo de submissão do Brasil aos EUA. Abandonou a postura de liderança que nossa diplomacia seguia havia décadas na abordagem da saúde. Essa política mostra-se infensa à própria ONU e ao multilateralismo. O ministro adota postura equivocada e irrealista. 

Preocupa-se com o “globalismo”, mas não percebe que o atual contexto internacional se caracteriza justamente pela existência de desafios globais. E a comunidade internacional se defronta com três deles gritantemente “globais”: as mudanças climáticas, a pandemia e a recessão econômica. Em suma, é mais necessária do que nunca a cooperação de caráter multilateral. Nossa política externa precisa livrar-se da influência deletéria das ideologias de extrema- direita que o governo de Donald Trump e movimentos que o apoiam, inclusive no plano religioso, tratam de fazer chegar a outros países. Urge dar as costas a tais influências. Precisamos de um retorno a vetores básicos de nossa atuação internacional, como o pragmatismo, a objetividade, o realismo e o compromisso inarredável com o multilateralismo.

*É EX-EMBAIXADOR DO BRASIL NA CHINA

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.