Jim Watson / AFP
Jim Watson / AFP

Análise: Perder a Câmara pode ajudar Trump em 2020?

Se olharmos puramente do ponto de vista do interesse do presidente, há um convincente argumento de que uma Câmara democrata pode ser ótima para ele

Aaron Blake / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2018 | 07h00

desvantagens óbvias para os republicanos em perder a Câmara. A principal é que os democratas poderiam alavancar seu recém-descoberto poder de intimidação para investigar o governo Trump. Eles poderiam até mesmo obter declarações de imposto de renda que o mandatário claramente não quer revelar e expor o que o New York Times chamou de "esquemas fiscais fraudulentos".

Ele também estaria perdendo a capacidade de aprovar leis, um arranjo que deu ao governo dele uma redução de impostos e pelo menos uma chance de outras vitórias - que poderia desaparecer no momento em que os democratas controlarem a agenda na metade do Congresso.

Mas, se olharmos isso puramente a partir do ponto de vista do interesse próprio de Trump - particularmente no que se refere à vitória na reeleição em 2020 -, há um convincente argumento de que uma Câmara democrata pode ser ótima para o presidente.

A primeira razão é que os eleitores parecem gostar de um governo dividido. Dos seis últimos presidentes que obtiveram a reeleição desde a 2.ª Guerra, apenas um detinha o controle total do Congresso - George W. Bush em 2004. Em 1996, 1988, 1980, 1972, 1968 e 1956, um partido controlava o Congresso, mas os eleitores escolheram o adversário para a Casa Branca.

A segunda é que dá a Trump um bicho-papão. Uma coisa é fazer campanha afirmando que a líder da minoria democrata, Nancy Pelosi (Califórnia), pode se tornar presidente da Câmara; outra é fazer isso se ela de fato for a presidente. Se os democratas ganharem a Câmara, Trump terá uma boa aposta para sua campanha de reeleição em 2020, mesmo que seu oponente democrata não seja um para-raios. Trump poderia culpar a Câmara Democrata por seus contínuos fracassos em cumprir suas muitas promessas. (Ele já faz isso, em algum grau, mesmo que os democratas não tenham controle sobre qualquer ramo do governo.)

E, finalmente, até mesmo esse poder de intimidação poderia representar algumas escolhas difíceis para os democratas. Haverá pressão da base do partido para ir atrás de Trump e até mesmo acusá-lo, mas vimos como isso pode levar a excessos, como um pedido de impeachment. E os líderes democratas já demonstraram cautela sobre isso. O que acontece quando eles realmente têm poder e a base quer que eles ajam além do que acham prudente?

Isso tudo é especulativo, sim. É provável que Trump esteja fazendo tanta campanha para os candidatos do Senado porque ele e as pessoas ao seu redor reconhecem que o magnata é muito melhor como um motivador da base do que como um vencedor do voto decisivo. Você ganha mais dinheiro como presidente fazendo campanha em uma das 35 corridas do Senado do que em uma das 435 da Câmara.

Mas também é verdade que a mensagem final de Trump é de utilidade muito mais questionável quando se trata de salvar a Câmara, e ele não parece se importar muito com isso, apesar de aparentemente ser um grande revés para sua agenda. Este também é um presidente que geralmente cuidou de si mesmo em vez de seu partido político recentemente adotado, e não é irracional perguntar se ele realmente se importa com o destino republicano - especialmente se o revés do partido resultar em seu ganho pessoal.

E mesmo que não necessariamente ele almeje essa derrota, é possível que isso possa ajudá-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.