Sergey Ponomarev/The New York Times
Sergey Ponomarev/The New York Times

Análise: Putin usa a Sputnik V como arma geopolítica e já colhe dividendos

Na batalha global para derrotar uma pandemia que ceifou 2,3 ​​milhões de vidas em pouco mais de um ano, a corrida para obter vacinas assumiu importância geopolítica

Henry Meyer / THE WASHINGTON POST, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2021 | 05h00

O anúncio do presidente Vladimir Putin em agosto de que a Rússia liberou a primeira vacina contra o coronavírus do mundo antes mesmo de concluir os testes de segurança gerou ceticismo em todo o mundo. Agora ele pode colher dividendos diplomáticos à medida que a Rússia se deleita em seu maior avanço científico desde a era soviética.

Os países estão fazendo fila para receber a Sputnik V depois que resultados revisados ​​por pares publicados no jornal médico The Lancet esta semana mostraram que a vacina russa protege contra o vírus mortal tão bem quanto as vacinas americanas e europeias, e com muito mais eficácia do que as rivais chinesas.

Pelo menos 20 países aprovaram a inoculação para uso, incluindo a Hungria, um país membro da União Europeia, enquanto mercados importantes, como Brasil e Índia, estão próximos de autorizá-la. Agora a Rússia está voltando seus olhos para o premiado mercado da União Europeia, enquanto o bloco luta com seu programa de vacinação em meio à escassez de oferta.

Na batalha global para derrotar uma pandemia que ceifou 2,3 ​​milhões de vidas em pouco mais de um ano, a corrida para obter vacinas assumiu importância geopolítica à medida que os governos procuram emergir dos enormes danos sociais e econômicos causados ​​pelos bloqueios impostos para limitar a propagação do vírus. Isso dá à Rússia uma vantagem como um dos poucos países onde os cientistas produziram uma defesa eficaz.

Sua decisão de nomear a Sputnik V com o nome do primeiro satélite do mundo, cujo lançamento em 1957 deu à União Soviética um triunfo impressionante contra os EUA para iniciar a corrida espacial, apenas sublinhou a escala da importância que Moscou atribuiu à conquista. Os resultados dos testes em estágio final de 20.000 participantes revisados na revista científica The Lancet mostraram que a vacina tem uma taxa de sucesso de 91,6%.

Embora seja muito cedo para avaliar os ganhos políticos de Putin, a Rússia já está fazendo muito com o impacto do poder da vacina em sua imagem, após anos de condenação internacional por intromissão eleitoral e segmentação de oponentes políticos em casa e no exterior. A televisão estatal noticia extensivamente sobre entregas a outras nações.

O sucesso da Sputnik não mudará a hostilidade contra Putin entre os governos ocidentais, embora possa fortalecer a influência geopolítica da Rússia em regiões como a América Latina, de acordo com Oksana Antonenko, diretora da consultoria Control Risks. “Com esta vacina, a Rússia provou ser capaz de produzir algo novo que está em demanda em todo o mundo”, disse ela.

As restrições de produção são o maior desafio enfrentado por todos os fabricantes, pois a demanda global supera em muito a oferta. A Rússia, prometendo vacinas gratuitas para sua população de 146 milhões, iniciou a produção no ano passado e a vacina está sendo fabricada atualmente em países como Índia, Coreia do Sul e Brasil.

Esta semana, um aliado próximo do presidente turco Recep Tayyip Erdogan assinou um acordo para produzir o Sputnik V na Turquia, embora o país tenha acordos para comprar 50 milhões de doses da vacina CoronaVac da Sinovac Biotech Ltd. da China e 4,5 milhões de doses da Pfizer Inc.-BioNTech SE.

Apesar do sucesso da Rússia, a demanda doméstica permanece morna até agora, impulsionada pela suspeita pública das autoridades. Putin alimentou o ceticismo em dezembro, quando disse que estava esperando para receber a vacina até que fosse liberada para pessoas de sua idade.

Ele ainda não disse se foi vacinado, mas outras nações não estão esperando para descobrir. Um dia depois de anunciar que contraiu a covid-19, o presidente mexicano Andrés Manuel Lopez Obrador disse em 25 de janeiro que agradeceu a um Putin “genuinamente afetuoso” por ter prometido 24 milhões de doses da Sputnik V nos próximos dois meses. Três dias depois, o presidente boliviano Luis Arce recebeu pessoalmente um lote no aeroporto de La Paz.

A América Latina está se revelando um território fértil. A Argentina, que tem lutado para obter suprimentos de vacina, iniciou seu programa de inoculação em massa depois de receber mais de meio milhão de doses de Sputnik V em janeiro. Ele se juntou a Nicarágua, Paraguai e Venezuela. No Brasil, uma decisão anunciada em 3 de fevereiro de descartar a exigência de testes de fase três para uso emergencial pode acelerar a aprovação.

A Guiné se tornou a primeira nação africana a começar a distribuir a Sputnik V em dezembro com o presidente Alpha Conde, amigo de Moscou, e vários ministros tomando a vacina. Ela espera receber 1,6 milhão de doses este ano e também está em negociações para adquirir vacinas chinesas, junto com a injeção da AstraZeneca. O Zimbábue, a República Centro-Africana e a Costa do Marfim estão entre outros clientes potenciais da Rússia.

“Não estamos em uma posição em que possamos dizer não a nenhuma vacina. Optamos pela vacina da Pfizer, mas estamos analisando outras vacinas também ”, disse o professor Joseph Benie, chefe do Instituto Nacional de Higiene Pública de Abidjan, Costa do Marfim. “Há uma urgência agora para começar a vacinar.”

A Sputnik V usa uma plataforma baseada no adenovírus, causador do resfriado comum, e vem sendo estudado no desenvolvimento de vacinas há décadas, mas sua eficácia ainda não foi comprovada. O da AstroZeneca é semelhante, enquanto os medicamentos desenvolvidos pela Moderna, Pfizer e BioNTech contam com uma nova tecnologia, que usa instruções genéticas em uma molécula de ácido nucleico chamada mRNA para programar as células de uma pessoa para produzir a própria proteína viral, desencadeando uma resposta imunológica.

Ao contrário da vacina Pfizer / BioNTech, a Sputnik V pode ser armazenada em uma geladeira em vez de um freezer, facilitando o transporte e a distribuição em países mais pobres e quentes. Por cerca de US$ 20 para uma vacinação dupla, também é mais barato do que a maioria das alternativas ocidentais. Embora mais cara do que a da AstraZeneca, a inoculação russa mostrou maior eficácia do que a vacina do Reino Unido.

Para alguns países como o Irã, que recebeu o primeiro lote de 2 milhões de doses prometidas esta semana, a Rússia oferece uma alternativa política mais palatável do que os fornecedores ocidentais. Mas a Rússia também está fazendo incursões em países como os Emirados Árabes Unidos, tradicionalmente próximo dos EUA e que aprovou a Sputnik V para uso.

A China mantém a liderança na Ásia. Apenas um punhado de países optou pelo Sputnik V, incluindo as Filipinas, que está em negociações para 25 milhões de doses.

Os desenvolvedores chineses agora podem se associar à Rússia. A RDIF fechou um acordo preliminar para testar um regime combinado de doses da Sputnik V e da CanSino Biologics da China para aumentar a eficácia contra a covid-19, disseram pessoas com conhecimento do assunto na sexta-feira.

No que poderia representar o maior avanço potencial do Kremlin, a Rússia pediu aos reguladores europeus que examinassem um pedido de autorização da Sputnik V depois que a Alemanha prometeu ajudar a acelerar o processo. Com altos funcionários da UE ainda sofrendo com a lentidão do lançamento da vacina, a chanceler alemã Angela Merkel disse na terça-feira que a injeção russa poderia ser usada para proteger as pessoas no bloco de 27 membros, desde que fosse aprovada pela Agência Europeia de Medicamentos.

A ministra da Indústria da França disse que é "agnóstica" quando se trata de aprovar a vacina russa. “Qualquer vacina que esteja pronta e apresente as condições de segurança e eficácia é bem-vinda na Europa”, disse Agnes Pannier-Runacher durante uma entrevista na France Info TV no domingo. “Temos interesse em ter o máximo de diferentes vacinas e volumes”

A Hungria já concedeu uma aprovação emergencial, assinando um acordo para 2 milhões de doses da Sputnik V com as primeiras 40.000 doses aplicadas na terça-feira. “A vacina não pode ser uma questão política”, disse o primeiro-ministro Viktor Orban à rádio estatal 29 de janeiro. “Só se pode escolher entre vacinas ocidentais e orientais quando você tem o suficiente.”

A aprovação europeia pode levar vários meses devido à necessidade de enviar dados detalhados, disse o editor-chefe do Lancet, Richard Horton, ao QuickTake da Bloomberg. “Eu realmente acho que essa vacina russa estará disponível”, mas “não rapidamente”, disse ele.

Embora seja muito cedo para avaliar os ganhos políticos de Putin, a vacina já está pagando dividendos para a Rússia, após anos de condenação internacional por intromissão eleitoral e perseguição de oponentes políticos em casa e no exterior. Mesmo enquanto visitava Moscou na sexta-feira para confrontar o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, sobre a prisão do líder da oposição Alexei Navalni, o chefe de política externa da UE, Josep Borrell, parabenizou a Rússia pelo desenvolvimento do Sputnik V.

“É uma boa notícia para toda a humanidade”, disse Borrell. “Isso significa que teremos mais ferramentas para enfrentar a pandemia”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.