Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Análise: Trump usa imigração como tema eleitoral 

Trump é como uma antiga banda de rock, com dificuldade para emplacar novos sucessos porque os fãs querem ouvir os clássicos que amam

James Hohmann / W.POST, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2018 | 05h00

Na quinta-feira, Donald Trump mostrou que a imigração é prioridade, principalmente para manter a base republicana entusiasmada para as eleições legislativas, em duas semanas. Trump ameaçou suspender o Nafta se o México não interromper a caravana de imigrantes. Ele sugeriu cortar ajuda a países da América Central e fechar a fronteira sul, o que afetaria a economia. 

Trump é como uma antiga banda de rock, com dificuldade para emplacar novos sucessos porque os fãs querem ouvir os clássicos que amam. Nesse caso, a música é “Construa o Muro”. Seus assessores o aconselharam a focar na economia e na confirmação do juiz conservador Brett Kavanaugh para a Suprema Corte. Mas Trump segue seus instintos e acredita que o endurecimento da posição contra os imigrantes deixará seus eleitores entusiasmados para votar em republicanos nas eleições de novembro. 

Em comício realizado no Estado de Montana, na quinta-feira, ele dedicou boa parte do discurso aos imigrantes, tema que manterá a base do partido unida. Os republicanos devem ampliar sua maioria no Senado justamente porque os Estados em disputa são predominantemente brancos e rurais, locais onde estas posições anti-imigração mais ressoam.

O súbito aumento da entrada de imigrantes ilegais este ano irritou Trump, que exige políticas mais extremas para deter o fluxo. Os nervos estão à flor da pele na Casa Branca, com o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, e o chefe de gabinete, John Kelly, discutindo aos berros no Salão Oval, na quinta-feira, segundo assessores. Bolton acusou a secretária de Segurança Interna, Kirstjen Nielsen, de não fazer nada para conter a entrada de ilegais e Kelly saiu em sua defesa. 

Ontem, Trump espalhou uma teoria da conspiração de que os democratas estão financiando a caravana que saiu de Honduras. No comício, o presidente disse que o plano dos democratas é deixar imigrantes entrem para que possam votar em seus candidatos – esquecendo-se de que apenas cidadãos legais votam. 

A questão não vai desaparecer tão cedo. Em Montana, Trump garantiu que continuará falando sobre a caravana até o dia da eleição, em 6 de novembro. Resumindo seu argumento em uma frase, ele disse à multidão: “Os temas desta eleição serão Kavanaugh, a caravana, a lei e o senso comum.”

*É JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.