Análise: Um Trump sem limite ao atacar a eleição

Análise: Um Trump sem limite ao atacar a eleição

Os muitos aliados de Trump na Câmara deixaram claro que se oporão aos resultados de um punhado de Estados

Dan Balz / The Washington Post , O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2021 | 05h00

Amanhã, representantes da Câmara e do Senado vão se reunir para aprovar o resultado do colégio eleitoral americano, que aponta a vitória de Joe Biden por 306 votos ante 232 de Donald Trump. O vice-presidente Mike Pence estará na cadeira para ler que ele e Trump perderam a eleição, como alguns outros vice-presidentes perderam no passado.

Mas haverá objeções em ambas as câmaras, debates e votações, prolongando o que normalmente é um processo pró-forma e uma breve passagem para a transferência do poder. Os muitos aliados de Trump na Câmara deixaram claro que se oporão aos resultados de um punhado de Estados.

Por um tempo, havia dúvida se algum membro do Senado faria isso. Agora há uma dúzia, liderada pelo senador Ted Cruz, republicano do Texas, que planeja desafiar esses resultados. Pence acrescentou seu apoio a esses esforços.

O argumento deles é que, por haver alegações de votação ou contagem impróprias, o Congresso deve intervir nomeando uma comissão para realizar uma “auditoria” de 10 dias nos Estados em disputa e, então, esses Estados poderiam convocar sessões especiais para avaliar as conclusões e, se necessário, certificar novos resultados. É difícil imaginar que essa investigação produziria algo novo.

Na maior parte, esses republicanos afirmam que não estão realmente tentando anular as eleições, mas apenas querem dar voz às alegações e às preocupações das pessoas que questionam os resultados – pessoas que foram informadas repetidamente por Trump e seus aliados que as alegações de fraude são, na verdade, fraude real. No entanto, eles persistem.

Os republicanos que farão objeções estão agindo com base no medo do presidente ou por puro oportunismo político, ou ambos. Alguns estão avaliando uma campanha presidencial de 2024 e sabem que estar do lado errado de Trump pode significar uma derrota certa.

*É COLUNISTA

 

Tudo o que sabemos sobre:
Donald TrumpJoe Biden

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.