KCNA VIA KNS/AFP
KCNA VIA KNS/AFP

Análise: Unidade coreana tira moeda de troca do presidente americano

Acordo de paz enfraquece as sanções econômicas e torna mais difícil para Trump manter as ameaças de ação militar

Mark Landler / THE NEW YORK TIMES*, O Estado de S.Paulo

30 Abril 2018 | 05h00

A unidade das duas Coreias complica o trabalho de Donald Trump antes de seu encontro com Kim Jong-un. Embora os dois líderes coreanos tenham prometido desarmar a região, não estabeleceram nenhum cronograma e não definiram como. Mas concordaram com a assinatura de um tratado de paz que encerre a Guerra da Coreia após quase sete décadas de hostilidades.

Esse acordo de paz debilita os dois instrumentos usados por Trump para pressionar Kim. A retomada da diplomacia entre as duas Coreias, dizem os analistas, enfraquece as sanções econômicas e torna mais difícil para Trump manter as ameaças de ação militar. Para satisfazer sua própria definição de sucesso, o americano terá de convencer Kim a aceitar uma “desnuclearização completa, verificável e irreversível” – algo que ninguém acredita que ocorra. “A cúpula criou ainda mais expectativas, uma propaganda exagerada e mais pressão sobre Trump”, disse Victor Cha, da Universidade de Georgetown. 

+ Líder norte-coreano diz que desiste de arsenal nuclear se EUA não atacarem

O preço do fracasso será alto para os EUA, que correm o risco de uma ruptura com seu aliado sul-coreano, comprometido com o fim do conflito, e de aumento das tensões com a China, principal parceira comercial da Coreia do Norte. Não há dúvida que as sanções, combinadas com ameaças de Trump, ajudaram a convencer Kim a negociar. Mas Trump é só um dos três atores nesse drama. Moon, um progressista, prometeu a conciliação com o Norte durante a campanha e faz de tudo para cumprir sua promessa. Foi ele, e não Trump, que estabeleceu o ritmo e os termos da negociação, embora autoridades americanas afirmem que Seul atue em coordenação com Washington. Já Kim apostou na diplomacia. Suas razões para a aproximação ainda não são claras. Analistas afirmam que os avanços do programa de mísseis, as sanções ou as ameaças militares criaram o momento oportuno. Outros dizem que ele está repetindo as provocações de seu pai e de seu avô. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

* É jornalista

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.