Mohamad Torokman/Reuters
Mohamad Torokman/Reuters

Análise: Votação na ONU aumentará isolamento de Israel

País pode ficar exposto a sanções econômicas e jurídicas caso AG vote a favor da criação de Estado Palestino.

Guila Flint, BBC

20 Setembro 2011 | 10h22

Uma votação da Assembleia Geral da ONU a favor da fundação de um Estado Palestino nos territórios ocupados desde 1967, poderá aumentar o isolamento internacional de Israel e expor o país a sanções econômicas e jurídicas, afirmam analistas ouvidos pela BBC Brasil.

 

Veja também:

lista A busca pelo Estado palestino

lista ENTENDA: O que os palestinos buscam na ONU
especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

Três dias antes do discurso do presidente palestino Mahmoud Abbas na ONU, no qual deverá pedir o reconhecimento do Estado Palestino nas fronteiras anteriores à guerra de 1967, existe uma unanimidade entre os analistas israelenses de que a medida levará a um maior isolamento de Israel na comunidade internacional.

Cerca de 140 entre 193 países membros da ONU deverão votar em favor do Estado Palestino, incluindo a maioria dos países da África, América do Sul e Ásia, e parte dos países europeus - entre eles a França e a Espanha.

"Sem dúvida o que está acontecendo (na ONU) é problemático para Israel e poderá levar a sanções e a processos na Corte Internacional de Haia", disse à BBC Brasil o cientista político Jonathan Rynhold, da Universidade Bar Ilan.

 

Dois lados

Mas para Rynhold não só Israel mas também os próprios palestinos vão sair perdendo com a iniciativa na ONU pois ele prevê que o vazio que se criará após a votação levará a uma nova escalada da violência na região.

Segundo o cientista político, após a votação "nada mudará de concreto, pois não haverá um Estado Palestino real e a frustração dos palestinos poderá gerar uma nova onda de violência".

De acordo com o analista político do jornal Haaretz, Akiva Eldar, "Israel está se aproximando de uma situação semelhante à da África do Sul na época do apartheid", em referência ao isolamento diplomático e econômico imposto pela comunidade internacional até o fim do regime de segregação racial.

"Não estive tão preocupado com o que pode acontecer aqui desde a guerra de 1973", disse Eldar à BBC Brasil, lembrando os ataques inesperados do Egito e da Síria na chamada Guerra de Outubro, em 1973.

 

Perda de controle

Para Eldar, depois da votação da ONU poderá haver grandes protestos populares na Cisjordânia e, inclusive, choques entre palestinos e colonos israelenses.

"Há perigo de uma perda de controle, pois nem Israel nem a Autoridade Palestina têm controle total do que acontece no territórios".

O ex-ministro da Defesa, Binyamin Ben Eliezer, do Partido Trabalhista, disse nesta terça-feira à radio estatal de Israel que, para evitar o isolamento, o primeiro ministro Binyamin Netanyahu, que irá representar o país na ONU, "deveria apoiar o Estado Palestino".

"Em vez de tentar convencer o mundo a rejeitar o pedido de Abbas, Netanyahu deve apoiar a fundação do Estado Palestino e propor a retomada imediata das negociações", afirmou.

"Temos que voltar correndo para a mesa de negociações se não queremos acabar como a África do Sul", acrescentou Ben Eliezer.

 

"Sem condições prévias"

Netanyahu convidou Abbas para retomar as negociações "sem condições prévias" e sugeriu que o diálogo seja retomado em Nova York, durante os encontros da Assembleia Geral da ONU "e depois prosseguido em Jerusalém e Ramallah".

O lider do grupo palestino Fatah, Nabil Shaat, que está acompanhando Abbas em Nova York, declarou que um encontro com o premiê israelense só será possível se Israel aceitar as fronteiras de 1967 como base para as negociações e parar de construir assentamentos nos territórios ocupados.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.