Ron Harris/AP
Ron Harris/AP

Análise: Voto antecipado reflete urgência para traçar rumo do país 

Ele coloca as eleições deste ano no ritmo de um índice histórico de participação nunca visto desde o início do século 20

Amy Gardner e Rosalind S. Helderman / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2020 | 05h00

O grande número de eleitores que já votaram, pessoalmente ou pelo correio, surpreendeu funcionários eleitorais e membros das campanhas democrata e republicana. Os cerca de 70 milhões de votos equivalem a mais da metade da participação total em 2016 – quase garantindo, com a votação antecipada continuando ao longo do fim de semana, que a maioria das cédulas será depositada antes do dia da eleição pela primeira vez na história dos Estados Unidos.

A ampla demanda para votar antecipadamente reflete um senso de urgência generalizado para traçar o curso dos EUA nos próximos quatro anos, apesar dos desafios de votação impostos pela pandemia do coronavírus. E coloca as eleições deste ano no ritmo de um índice histórico de participação nunca visto desde o início do século 20.

Por enquanto, os primeiros números favorecem esmagadoramente os democratas em 16 dos 19 Estados que fornecem a possibilidade de votar antecipadamente. Mas a diferença entre os eleitores democratas e republicanos diminuiu nos últimos dias em vários Estados decisivos, e as campanhas do presidente Donald Trump e do ex-vice-presidente Joe Biden observaram que mais republicanos do que democratas devem ir às urnas em 3 de novembro, segundo várias pesquisas.

A questão é quantos mais. “A votação inicial está mostrando duas coisas: estamos claramente caminhando para um comparecimento em nível recorde, nacionalmente e provavelmente em quase todos os Estados”, disse Tom Bonier, chefe da TargetSmart, uma empresa de dados democrata. “E isso está nos mostrando que os democratas estão altamente engajados e estabelecerão níveis recordes de participação.”

Bonier enfatizou que os republicanos também têm motivação para votar. “A questão em aberto é se esse nível de engajamento e entusiasmo republicano pode igualar ou exceder o dos democratas. Essa é a parte da equação que não podemos resolver até o dia da eleição”, acrescentou.

A dinâmica cria um cenário significativamente instável à medida que o comparecimento aumenta em todo o país – nas cidades e nas áreas rurais, em Estados-chave que há muito decidem quem será o próximo presidente e em lugares inesperados que não têm disputas competitivas há anos. Também significa que o dia da eleição será diferente daqueles de anos anteriores, com uma participação menor e mais republicana.

*SÃO JORNALISTAS DA ÁREA DE POLÍTICA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.