Analista russo confirma veracidade de teste nuclear norte-coreano

Um analista militar russo rejeitou nesta terça-feira as dúvidas expressadas pelos Estados Unidos sobre a veracidade do teste nuclear feito na segunda-feira pelo regime da Coréia do Norte."A execução do teste nuclear foi detectada por nossos meios técnicos militares, e não pode ter havido nenhum erro", afirmou o general Vladimir Dvorkin, ex-chefe do Instituto de Pesquisas Científicas do Ministério da Defesa da Rússia.O general disse à agência Interfax que existe uma série de critérios que permitem "distinguir com grande precisão uma explosão nuclear de uma explosão convencional, como, por exemplo, uma detonação de cem toneladas de explosivo convencional"."As explosões atômicas e as não nucleares têm características diferentes no que se refere à onda expansiva, sua longitude e outros parâmetros", disse Dvorkin, ao comentar as suspeitas de que o regime norte-coreano teria blefado.O presidente americano, George W. Bush, questionou na segunda-feira a veracidade do comunicado de Pyongyang sobre seu primeiro teste atômico.Segundo o jornal The Washington Times, fontes da inteligência americana também suspeitam que a Coréia do Norte tenha detonado várias centenas de toneladas de TNT, pois argumentam que a potência da explosão foi insuficiente para uma bomba atômica.O Ministério da Defesa da Rússia confirmou na segunda-feira que a Coréia do Norte certamente fez um teste nuclear subterrâneo."As instalações de controle nuclear da Rússia estabeleceram que às 5h35 ocorreu uma explosão atômica na Coréia do Norte", disse o general Vladimir Verjotsev, acrescentando que a explosão "foi 100% um teste nuclear subterrâneo"."A potência da explosão nuclear se situa entre 5 e 15 quilotons. Dispomos de informação exata sobre o lugar onde foi realizado o teste", disse o ministro da Defesa russo, Serguei Ivanov.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.