Anarquistas podem ter enviado bombas a embaixadas, diz Itália

Representações da Suíça e do Chile receberam pacotes-bomba; dois ficaram feridos

Agência Estado

23 de dezembro de 2010 | 14h52

ROMA - O ministro de Interior da Itália, Roberto Maroni, afirmou hoje que investigadores acreditam que anarquistas podem estar por trás do envio de pacotes com bombas para embaixadas em Roma. Bombas explodiram nas embaixadas do Chile e da Suíça, ferindo uma pessoa em cada uma das representações. Foi também encontrado um pacote suspeito na embaixada da Ucrânia.

 

Veja também:

linkEmbaixadas recebem pacotes-bomba; dois se ferem

 

O ministro das Relações Exteriores, Franco Frattini, disse que havia uma "ameaça séria" contra todas as representações estrangeiras em Roma, após as explosões nas duas embaixadas. Ele também recomendou que as embaixadas italianas no exterior estejam em alerta.

 

A agência Ansa citou Maroni dizendo que as bombas foram similares a outras enviadas no mês passado para 14 embaixadas em Atenas. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.