Anciãos líbios tentam negociar rendição de Bani Walid

Líderes tribais se encontraram com rebeldes e tentam persuadir forças de Kadafi a depor armas

AE, Agência Estado

06 Setembro 2011 | 11h04

TARHOUNA - Anciões tribais da cidade de Bani Walid, um dos últimos redutos do coronel líbio Muamar Kadafi, tentam persuadir homens leais do líder que estão no local a depor suas armas, informaram os próprios anciãos durante conversações com negociadores rebeldes. A informação foi divulgada horas depois de um grande comboio com homens armados ligados a Kadafi ter cruzado o deserto para o Níger, país vizinho da Líbia.

 

Veja também:

blog TWITTER: Siga nossos enviados

forum OPINE: Onde se esconde Kadafi?

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

 

Os anciãos deixaram Bani Walid, que está sitiada, para se reunirem com os rebeldes numa pequena mesquita a cerca de 60 quilômetros de distância. "Os revolucionários não vieram para humilhar ninguém. Estados todos aqui para ouvir", disse Abdullah Kenshil, chefe negociador dos rebeldes, no início da reunião. Então, em mensagem com a clara intenção de atingir homens leais a Kadafi, acrescentou: "Eu afirmo que não somos como o antigo regime. Não nos vingamos e não guardamos rancor."

Homens leais a Kadafi têm se escondido em várias cidades, dentre elas Bani Walid, que fica a 140 quilômetros a sudeste de Trípoli. Milhares de combatentes rebeldes cercam a cidade. Os quatro anciãos que participaram da reunião disseram que há rumores na cidade de que os rebeldes vão estuprar as mulheres da cidade e matar o povo.

"Bani Walid está dividida em dois grupos", disse Moftah al-Rubassi. "O primeiro e maior quer a paz. O segundo é formado por pessoas que estão ligadas ao regime de Kadafi, seja por relações se sangue ou financeiras, e são covardes." Ele afirmou que a retomada dos serviços básicos da cidade - que está sem água e eletricidade há dias - deixaria claro para os moradores as intenções dos rebeldes. O grupo opositor disse que isso vai acontecer o mais rápido possível.

O porta-voz de Kadafi, Moussa Ibrahim, usou um tom desafiador em ligação telefônica feita nesta terça-feira à emissora de televisão síria al-Rai, afirmando que o ditador deposto está "com a saúde excelente", planejando e organizando a defesa da Líbia. Ibrahim, que os rebeldes acreditam esteve em Bani Walid, disse que Kadafi e seus filhos ainda estão na Líbia.

"Estamos lutando e resistindo pelo bem da Líbia e de todos os árabes", disse ele. "Continuamos fortes e capazes de virar a mesa com a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte)", disse ele, embora o regime tenha efetivamente caído mais de uma semana atrás.

Outro representante rebelde, Khaled al-Zintani, disse que o grupo deteve Khalid Kaim, vice-ministro de Relações Exteriores, em Trípoli na segunda-feira.

 

As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Líbia Bani Walid anciãos rendição cerco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.